Please use this identifier to cite or link to this item: https://app.uff.br/riuff/handle/1/10027
Title: Efeito do ácido ascórbico durante a hepatocarcinogênese quimicamente induzida em ratos
Authors: Faria, Alessandra Frasnelli
metadata.dc.contributor.advisor: Silva, Maria Angélica Guzmán
metadata.dc.contributor.members: Franchi, Carla Adriene da Silva
Madi, Kalil
Rochael, Mayra Carrijo
Issue Date: 2008
Citation: FARIA, Alessandra Frasnelli. Efeito do ácido ascórbico durante a hepatocarcinogênese quimicamente induzida em ratos. 2008. 103 f. Dissertação (Mestrado em Patologia) - Universidade Federal Fluminense, Niterói, 2008.
Abstract: efeito protetor na carcinogênese; o ácido ascórbico parece ser um dos mais efetivos sobre uma ampla variedade de neoplasias induzidas experimentalmente. A presente pesquisa verificou o efeito do ácido ascórbico na hepatocarcinogênese em ratos. O estudo utilizou 30 ratos Wistar, machos distribuídos em 3 grupos (DENA+AA, DENA e AA) com 10 ratos cada. O protocolo experimental utilizado correspondeu ao de Solt modificado: iniciação com dietilnitrosamina, 200mg/kg, via i.p.; promoção das células iniciadas com administração via sonda orogástrica de acetilaminofluoreno, 30mg/Kg, por 6 dias (entre o 18º e o 24º dia) e de tetracloreto de carbono (2mL/Kg) no 21º dia. Realizou-se dois momentos de sacrifício, um em 8 semanas e outro em 24 semanas. O ácido ascórbico foi testado na dose de 4% na água de beber continuamente começando uma semana antes da iniciação. Na 8ª semana foi coletado sangue de metade dos animais de cada grupo, mediante punção cardíaca sob sedação por inalação de éter, em seguida a eutanásia foi realizada mediante deslocamento cervical. O soro foi imediatamente congelado em nitrogênio líquido e mantido a -80°C até o momento da dosagem de gama-glutamil transpeptidase. O fígado de cada animal foi coletado e pesado; após exame macroscópico e documentação fotográfica, foi fixado em formol 10% Milloning e processado de forma rotineira para histopatologia. Os animais restantes permaneceram sem qualquer tratamento por mais 4 meses, quando foram mortos e feitos os mesmos procedimentos acima descritos, exceto a coleta de sangue. Na 8ª semana, a concentração sérica da gama-glutamil transpeptidase foi mais alta no grupo DENA, sendo este grupo significativamente diferente do grupo AA. O peso relativo do fígado foi similar entre os grupos. Macroscopicamente, apenas os animais do grupo DENA apresentaram múltiplos nódulos esbranquiçados de 1-5mm. Microscopicamente, os animais dos grupos DENA+AA e DENA apresentaram focos e nódulos fenotipicamente alterados, sendo muito freqüentes e com prevalência de nódulos em DENA. Apenas os animais de AA não apresentaram focos e nódulos fenotipicamente alterados. O volume nuclear dos hepatócitos dos focos e nódulos foi similar entre os grupos. Nos animais dos grupos DENA+AA e DENA, o número e a área de focos e nódulos glutationa-S-transferase placentária positivos foi significativamente maior do que no grupo AA. Na 24ª semana, o peso relativo do fígado nos animais do grupo DENA foi significativamente maior que os outros grupos. Macroscopicamente, os animais do grupo DENA apresentaram fígado congesto e vários nódulos esbranquiçados de 1-5mm. Microscopicamente, todos os grupos apresentavam focos e nódulos fenotipicamente alterados, sendo freqüentes e com prevalência de nódulos em DENA. O volume nuclear dos hepatócitos dos focos e nódulos foi similar entre os grupos. Nos grupos DENA+AA e DENA, o número e a área de focos e nódulos glutationa-S-transferase placentária positivos foi significativamente superior ao grupo AA; contudo o grupo DENA+AA foi significativamente inferior ao grupo DENA. A incidência dos tumores foi maior no grupo DENA. O ácido ascórbico tem efeito protetor da hepatocarcinogênese induzida em ratos
metadata.dc.description.abstractother: Studies in animal models suggest that vitamins acting as antioxidants may have a protective effect in carcinogenesis; ascorbic acid seems to be one of the most effective on a wide variety of experimental neoplasias. The present research has verified the effect of ascorbic acid in rat hepatocarcinogenesis. Thirty male rats were used, distributed in 3 groups (DEN+AA, DEN and AA) with 10 rats each. The experimental protocol corresponded to that one of Solt modified: initiation with 200mg/kg diethylnitrosamine, i.p.; promotion procedure for 6 days per os, between days 18 and 24, with acetylaminofluorene (30mg/Kg) and carbon tetrachloride (2mL/Kg) in the 21st day. Ascorbic acid (4% solution) was offered continually in the drinking water starting one week before the initiation. At week 8, blood of half of the animals of each group was collected by heart puncture under sedation (ether inhalation), being afterwards euthanized by cervical displacement. Serum was immediately frozen in liquid nitrogen and maintained at -80°C until the moment of gama-glutamyltranspeptidase dosage. The liver of each animal was collected, weighed, described grossly, photographed, fixed in 10% buffered formalin, and processed for histopathology. Remaining animals stayed without any treatment during 4 months, when they were euthanized. At week 8, the gamma-glutamyltranspeptidase serum concentration was higher in DEN group, being significantly different from AA group. The relative liver mass was similar among the groups. Liver gross pathology showed multiple white-grayish nodules measuring 1-5mm only in animals of DEN group. Microscopic analysis revealed phenotypically altered foci and nodules in animals of groups DEN+AA and DEN; nodules were very frequent and prevalent in DEN group. No altered foci and nodules were observed in animals of AA group. The nuclear volume of hepatocytes in altered foci and nodules was similar among the groups. The number and the area of glutathione-S-transferase positive foci and nodules in animals of DEN+AA and DEN groups were significantly larger than in AA group. At week 24, the relative liver mass in animals of DEN was significantly larger than the other groups. Liver gross pathology showed congestion and multiple white-grayish nodules measuring 1-5mm only in animals of DEN group. Microscopic analysis revealed phenotypically altered foci and nodules in all groups; nodules were frequent and prevalent in DEN group. The nuclear volume of hepatocytes in altered foci and nodules was similar among the groups. The number and the area of glutathione-S-transferase positive foci and nodules in animals of DEN+AA and DEN groups were significantly larger than in AA group, however the group DEN+AA was significantly inferior to DEN group. The tumor incidence was higher in DEN group. The ascorbic acid has a protective effect on the hepatocarcinogenesis induced in rats
URI: https://app.uff.br/riuff/handle/1/10027
Appears in Collections:PPGPatol - Dissertações - Niterói

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
Alessandra Frasnelli Faria Dissertação.pdf2.67 MBAdobe PDFView/Open


This item is licensed under a Creative Commons License Creative Commons