Please use this identifier to cite or link to this item: https://app.uff.br/riuff/handle/1/10977
Title: Criatividade na formação profissional do assistente social brasileiro no contexto pós-1990
Authors: Oliveira, Mariana Isaac de
metadata.dc.contributor.advisor: Pereira, Tatiana Dahmer
metadata.dc.contributor.members: Pereira, Tatiana
Venancio, Beatriz Pinto
Santos, Claudia Monica dos
Issue Date: 2015
Abstract: O termo criatividade, do ponto de vista etimológico, significa inventar, criar, fazer algo novo. No entanto, a noção de criatividade é utilizada pela racionalidade burguesa como forte estratégia para acumulação do capital e manutenção da ordem. A noção de criação, neste sentido, objetiva construir meios que levem a redução de custos e tempo de produção, aumento da produtividade do trabalhador e lucro. Ao incorporarmos a noção de criatividade no perfil profissional do Assistente Social a partir da reformulação do currículo mínimo do Serviço Social em 1996, não delimitamos especificamente porque, para que, e como esta noção se materializaria no processo de formação. Entretanto, durante a formação acadêmica, aprendemos que o Assistente Social deve lançar mão de intervenções de trabalho criativas, que busquem novas formas de enfrentamento da “Questão Social”. Diante disto, nos propomos discutir como a criatividade se manifesta no processo de formação profissional do Serviço Social brasileiro. Para tanto, nos propomos refletir sobre o modo como a criatividade aparece na racionalidade do desenvolvimento capitalista; porque é importante para o Serviço Social formar profissionais com perfil criativo; o que a categoria entende por criatividade; e de que forma é estimulada a criatividade no processo de formação profissional do Serviço Social brasileiro. A visão que partilhamos traz as características de parte da categoria profissional que atenta suas reflexões e ações para responder prioritariamente os interesses da classe trabalhadora e aponta para a necessidade de construir conhecimentos que caminhem na direção do que preconiza o nosso atual projeto ético-político, na contracorrente da ordem social hegemônica
metadata.dc.description.abstractother: The term creativity, the etymological point of view, means to invent, create, do something new. However, the notion of creativity is used by bourgeois rationality as strong strategy for capital accumulation and maintenance of order. The notion of creation, in this sense, objective means to build that lead to reduced costs and production time, increasing worker productivity and profit. By incorporating the notion of creativity in the professional profile of the social worker from the revision of the minimum of social work curriculum in 1996, not delimited specifically because for that, and how this concept would materialize in the training process. However, during the academic, learned that the social worker must resort to creative work interventions that seek new ways of combating the " Social Issues”. In view of this, we propose to discuss how creativity is manifested in the training process of the Brazilian Social Service. Therefore, we propose to reflect on how creativity appears in the rationality of capitalist development; because it is important for social work training professionals with creative profile; what the category meant by creativity; and how is stimulated creativity in the training process of the Brazilian Social Service. The vision we share brings the features of the professional category which violates their thoughts and actions to respond primarily the interests of the working class and points to the need to build knowledge that moving in the direction of advocating our current ethical-political project, in counter the hegemonic social order.
URI: https://app.uff.br/riuff/handle/1/10977
Appears in Collections:PPGSSDR - Teses e Dissertações

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
Mariana Isaac.pdf1.76 MBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.