Please use this identifier to cite or link to this item: https://app.uff.br/riuff/handle/1/11545
Title: Reações clínicas ao corante amarelo tartrazina em adultos atópicos: estudo duplo-cego controlado por placebo e cruzado
Authors: Silva, Simone Pestana da
metadata.dc.contributor.advisor: Olej, Beni
metadata.dc.contributor.advisorco: Moreira, Mauro Diniz
metadata.dc.contributor.members: Lugon, Jocemir Ronaldo
França, Alfeu Tavares
Boaventura, Gilson Teles
Issue Date: 2009
Citation: SILVA, Simone Pestana da. Reações clínicas ao corante amarelo tartrazina em adultos atópicos: estudo duplo-cego controlado por placebo e cruzado. 2009. 115 f. Dissertação (Mestrado em Ciências Médicas) - Universidade Federal Fluminense, Niterói, 2009.
Abstract: Introdução: O corante amarelo tartrazina, utilizado como aditivo em alimentos e medicamentos, esteve relacionado a reações adversas, especialmente em indivíduos portadores de asma e urticária. Várias falhas metodológicas nos estudos realizados até a década de 80 colocaram em questão o verdadeiro papel causa-efeito da tartrazina nestas reações. Apesar de se acreditar na baixa prevalência de sensibilidade à tartrazina, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA) publicou uma consulta em 2002, a respeito da introdução de um alerta no rótulo de alimentos que contivessem este corante. Este fato nos impeliu a desenvolver o presente trabalho, já que estudos brasileiros sobre reações adversas à tartrazina não haviam sido realizados até o momento. Nosso objetivo foi avaliar as reações clínicas apresentadas por pacientes atópicos durante a exposição à tartrazina, comparando com o placebo. Métodos: Foram estudados 26 pacientes atópicos com asma, rinite, urticária ou sensíveis a anti-inflamatório não hormonal (AINH). Foi empregado o padrão-ouro para diagnóstico de reações adversas aos aditivos alimentares, o estudo duplo-cego controlado por placebo, utilizado de forma cruzada. Uma tabela de escores clínicos foi adaptada para avaliação de sintomas cutâneos, nasais e torácicos. A função pulmonar foi acompanhada com aferição do pico de fluxo expiratório (PFE). Resultados: Não houve diferença estatisticamente significante entre placebo e tartrazina nos escores tomados antes e após a administração destas substâncias. O PFE foi mantido estável durante os desafios. Conclusão: Num grupo de 26 pacientes atópicos com asma, rinite, urticária ou sensibilidade a AINH, a administração total de 35mg de tartrazina não precipitou nenhum tipo significante de reação cutânea ou respiratória quando comparada ao placebo
metadata.dc.description.abstractother: Background: Yellow dye tartrazine, an additive used in food and drugs, has been a potential cause of adverse reactions, especially in asthma and chronic urticaria patients. Methodologic flaws on clinical trials studies until the eighties had called in question the real cause-and-effect role for tartrazina in these reactions. Despite the belief in a low prevalence of tartrazine sensitivity, the Brazilian Sanitary Surveillance Agency (ANVISA) published a consultation about the possibility of issuing a label warning addressing these potential effects of food and drugs containing this yellow dye. This fact impelled us to develop the present study, since no Brazilian trials about adverse reactions to tartrazina had been conducted until this moment. The objective was to evaluate the clinical reactions presented by atopic patients during tartrazine challenge compared with placebo. Methods: Atopic patients with asthma, urticaria rhinitis or sensitivity to non steroidal anti-inflammatory drugs were studied (n=26). The gold standard, double-blind placebo controlled challenge was used, in a crossover manner. A table of clinical scores was adopted for assessment of cutaneous and respiratory (nasal and thoracic) symptoms. The lung function was monitored with peak expiratory flow (PEF) measurement. Results: There were no statistical differences between placebo and tartrazine in cutaneous and respiratory aspects evaluated before and after the administration of these substances. The PEF maintained stable during the challenges. Conclusions: In a group of atopic subjects with asthma, urticaria, rhinitis or sensitivity to non steroidal anti-inflammatory drugs, the administration of 35 mg of tartrazine dye did not precipitate any kind of significant cutaneous or respiratory reactions when compared to placebo
URI: https://app.uff.br/riuff/handle/1/11545
Appears in Collections:PPGCM - Teses e Dissertações

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
SIMONE PESTANA DA SILVA DISSERTAÇÃO.pdf1.03 MBAdobe PDFView/Open


This item is licensed under a Creative Commons License Creative Commons