Please use this identifier to cite or link to this item: https://app.uff.br/riuff/handle/1/1158
Title: Ensinar para cuidar: o enfermeiro e o familiar cuidador do idoso em internação domiciliar
Authors: Azevedo, Neusa Maria de
metadata.dc.contributor.advisor: Espírito Santo, Fátima Helena do
metadata.dc.contributor.members: Silva, Jaqueline da
Santana, Rosimere Ferreira
Issue Date: 2010
Publisher: Universidade Federal Fluminense
Citation: Azevedo, Neusa Maria de. Ensinar para cuidar: o enfermeiro e o familiar cuidador do idoso em internação domiciliar. 2010. 101 f. Dissertação (Mestrado em Enfermagem Assistencial)-Escola de Enfermagem Aurora de Afonso Costa, Universidade Federal Fluminense, Niterói, 2010
Abstract: Trata-se de uma pesquisa desenvolvida no Programa de Mestrado Profissional de Enfermagem Assistencial da Escola de Enfermagem Aurora de Afonso Costa - EEAAC, da Universidade Federal Fluminense – UFF, cujos objetivos foram: 1- discutir as possibilidades de orientação e suporte ao familiar cuidador do idoso pelo enfermeiro; 2- descrever o ambiente domiciliar do idoso; 3- caracterizar o familiar cuidador do idoso; 4- conhecer o perfil do idoso em situação de internação domiciliar; 5- identificar as necessidades do familiar cuidador do idoso em internação domiciliar. Estudo de natureza qualitativa do tipo estudo de caso, desenvolvido com 20 familiares cuidadores de idosos em situação de internação domiciliar, captados no Programa de Internação Domiciliar do Hospital Geral de Nova Iguaçu (PID-HGNI). A coleta de informações envolveu observação participante no domicílio dos sujeitos e entrevistas com o familiar cuidador desses idosos, bem como a aplicação de um roteiro para sua caracterização. Após analise temática dos dados, emergiram três categorias: “Percebendo o Cuidando do idoso”, “Percebendo os Sentimentos de quem cuida” e “As orientações da enfermeira ao familiar cuidador do idoso”. A primeira possibilitou visualizar que todos os idosos do estudo apresentavam limitações em realizar tanto as atividades de vida diária (AVDs) como também as atividades instrumentais de vida diária (AIVDs), o que os tornavam extremamente dependentes do familiar cuidador. Esta dependência ocasionou mudanças no cotidiano deste familiar, levando a alterações em sua vida, manifestadas a partir da sobrecarga de cuidados, afastamento do trabalho, cansaço físico e déficit de auto-cuidado (principalmente quando este cuidado ocorre de maneira solitária sem a colaboração de outros familiares). A seguir, na segunda categoria, demonstra-se no dia-a-dia deste cuidar os sentimentos aflorados pela vivência/convivência do familiar cuidador com o idoso. Suas falas revelam sentimentos de dever e obrigação pelo matrimônio ou pela vida em comum; retribuição dos cuidados recebidos no passado; sentimentos ambíguos na conciliação do cuidado com outras atividades; incertezas frente ao amanhã; apoio religioso. Todos estes sentimentos mobilizam o familiar cuidador a desempenhar a atividade de cuidar do seu familiar idoso, independente dos possíveis danos que possam sofrer; apesar de existirem relatos de melhora da própria saúde e planos pessoais para futuro em decorrência da atividade realizada. Finalmente, na categoria “As orientações da enfermeira ao familiar cuidador do idoso”, revela-se o cotidiano do familiar cuidador, na situação da doença, o desconhecimento e a falta de habilidades para cuidar desses idosos. Neste contexto, a enfermeira passa a ter o foco neste familiar, através da observação de como ele enfrenta a situação do cuidado ao idoso, que ocorre de maneira cotidiana e progressiva, associando e visualizando os recursos disponíveis. A implementação de ações educativas possibilitam ao familiar cuidador alcançar independência para realizar os cuidados necessários, diminuindo o estresse deste cotidiano e abrindo ainda possibilidades de resgate do autocuidado. Concluímos que cabe à enfermeira conhecer o ambiente domiciliar, sua dinâmica, identificar o perfil do idoso e de seu familiar cuidador antes de estabelecer um programa de orientações porque é no cotidiano do cuidado ao idoso em internação domiciliar que emergem situações que demandam orientações, escuta e olhar atentos às necessidades tanto do idoso quanto do familiar cuidador, que necessita de suporte e ajuda para saber cuidar do idoso e de si mesmo no inquietante contexto que os envolve durante o processo de internação domiciliar
metadata.dc.description.abstractother: It is about a research developed at Escola de Enfermagem Aurora Afonso Costa – EEAAC – at Universidade Federal Fluminense's Programa de Mestrado Profissional de Enfermagem Assistencial, whose goals were 1- discuss the possibilities of guiding and support to the family caregiver of elderly people; 2- describe the domiciliary environment of the elderly; 3- characterize the family caregiver; 4- identify the elderly people in situation of home care; 5- identify family caregivers' needs. Study case by qualitative aproach developed with 20 elderly in situation of domiciliary. The caregivers familiar are recruited at Programa de Internação Domiciliar of Hospital Geral de Nova Iguaçu (PIDHGNI). In data collection used participant observation, and interviews with caregiver familiar of elderly with support one instrument to data collection to characterization the research participants. The information analyzing unveiled three thematic categories: "Realizing the care of to elderly", "Realizing the feelings of the familiar caregiver" and "The nurses’ guidelines to family caregivers of the elderly". The first one enables the view that all subjects had limitations in performing both survival and instrumental activities of daily living, that making them highly dependent on the family caregiver. This dependence causes changes in family daily living, leading the changes in their lives, expressed as follows: care burden, absence from work, physical exhaustion, self-care deficit (especially when this care is lonely with no cooperation from other family members). Next, the second category demonstrates that feelings of everyday care are evidenced by family caregivers and the elderly’s experience/coexistence. The results manifest feelings of duty and obligation by marriage or others commitments; reciprocation of the care received in the past; mixed feelings up in the coordinating care and other activities, uncertainties related to the future; and religious support. All these feelings mobilize the family caregivers to perform the activity of caring of their elderly relatives, regardless of the possible damage they may suffer. However, there are reports of improvements in their own health and personal plans for the future as a result of the activity done. At last, in the third category the family caregiver’s everyday life in disease situation and lack of knowledge and skills to take care of the elderly is revealed. In this context, the nurse focuses on observation of how the family caregiver faces the care to the elderly, which occurs in a daily and progressive way, associating and identifying the available resources. The implementation of educational interventions enables the caregiver to achieve independence to carry out the necessary care, reducing stress on everyday life, opening up further possibilities for redemption of self-care. We conclude that it is up to the nurse getting to know the home environment, its dynamics, to identify the elderly and their family caregivers’ profiles before establishing one orientation program due to be in the daily care of elderly at homecare situations that arise up required orientation, attentive listen and look to the needs of the elderly as well as the caregiver familiar, who needs support and help to learn how to take care of the elderly and of himself within the disturbing context that surrounds them during the process of homecare
URI: https://app.uff.br/riuff/handle/1/1158
Appears in Collections:MPEA - Dissertações - Niterói

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
Neusa Maria de Azevedo.pdf1.97 MBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.