Please use this identifier to cite or link to this item: https://app.uff.br/riuff/handle/1/11651
Title: A memória viva da palavra a partir da coleção Mama África
Authors: Barreto, Edyanna de Oliveira
metadata.dc.contributor.advisor: Silva, Renata Flavia da
metadata.dc.contributor.members: Jorge, Silvio Renato
Teixeira, Vanessa Ribeiro
Issue Date: 27-Sep-2019
Abstract: Tomando as obras da Coleção Mama África de recepção infantojuvenil – Debaixo do arco íris não passa ninguém (2006), O beijo da palavrinha (2006), O filho do vento (2006), O homem que não podia olhar para trás (2006), O leão e o coelho saltitão (2009) –, constituímos um corpus de investigação, no intuito de verificar um traço que une todos os livros: a tradição oral. O objetivo deste trabalho é analisar de que forma a oralidade, a tradição popular, o simbolismo e sua respectiva reescritura para o público infantil estão presentes nas obras, contribuindo para a divulgação da cultura, história e literaturas africanas no Brasil. Ainda que estejamos no universo literário, os escritores contemporâneos moçambicanos e angolanos – Zetho Cunha Gonçalves, Mia Couto, José Eduardo Agualusa, Nelson Saúte e Ondjaki – conseguem colocar em texto escrito características recorrentes da fala de comunidades tradicionais de seus países ao recuperarem contos, cantigas, provérbios e histórias de seus países, possibilitando dessa forma a preservação da tradição oral para as novas gerações, junto a eles, temos os trabalhos de artistas plásticos – António Ole, Malagatana Valente Negwenya, Rachel Caiano e Roberto Chichorro – que contribuem para que as obras sejam ainda mais vivas e acessíveis aos leitores. Comprovamos então que a tradição oral em África não se deteve a um período fixo no tempo, mas continua viva, como afirma Hampaté Bâ (1980)
metadata.dc.description.abstractother: Taking the works of the Mama África Collection of children's reception – Debaixo do arco íris não passa ninguém (2006), O beijo da palavrinha (2006), O filho do vento (2006), O homem que não podia olhar para trás (2006), O leão e o coelho saltitão (2009) –, we constitute a corpus of investigation, in order to verify a trait that unites all the books: the oral tradition. The objective of this work is to analyze how orality, popular tradition, symbolism and their respective rewriting for children are present in the works, contributing to the dissemination of African culture, history and literatures in Brazil. Even though we are in the literary universe, the contemporary Mozambican and Angolan writers - Zetho Cunha Gonçalves, Mia Couto, José Eduardo Agualusa, Nelson Saúte and Ondjaki - are able to put in written text recurrent characteristics of the speech of traditional communities of their countries when recovering stories, songs , proverbs and histories of their countries, thus enabling the preservation of the oral tradition for the new generations, along with them are the works of plastic artists - António Ole, Malagatana Valente Negwenya, Rachel Caiano and Roberto Chichorro - who contribute to works are even more lively and accessible to readers. We then find that the oral tradition in Africa did not stop at a fixed period in time, but it is still alive, as Hampaté Bâ (1980) affirms
URI: https://app.uff.br/riuff/handle/1/11651
Appears in Collections:POSLIT - Tese e Dissertação



Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.