Please use this identifier to cite or link to this item: https://app.uff.br/riuff/handle/1/11705
Title: Detecção, frequência e caracterização molecular dos norovírus em casos de gastrenterite aguda no Estado do Rio de Janeiro, Brasil
Authors: Ferreira, Mônica Simões Rocha
metadata.dc.contributor.advisor: Oliveira, Solange Artimos de
metadata.dc.contributor.advisorco: Miagostovich, Marize Pereira
metadata.dc.contributor.members: Vitral, Cláudia Lamarca
Santos, Flavia Barreto dos
Soares, Caroline Cordeiro
Souza, Marcia Terezinha Baroni de Moraes e
Montero, Matias Victoria
Issue Date: 2012
Citation: FERREIRA, Mônica Simões Rocha. Detecção, frequência e caracterização molecular dos norovírus em casos de gastrenterite aguda no Estado do Rio de Janeiro, Brasil. 2012. 114 f. Tese (Doutorado em Ciências Médicas) - Universidade Federal Fluminense, Niterói, 2012.
Abstract: Os norovirus (NoV) são considerados vírus emergentes, sendo atualmente um dos principais agentes de surtos e casos esporádicos de gastrenterite aguda. Este estudo teve como objetivo determinar a frequência de infecções por NoV pela análise retrospectiva de casos de gastrenterite aguda ocorridos no estado do Rio de Janeiro em duas populações distintas, incluindo um grupo de crianças internadas em um hospital da rede pública de saúde e outro de crianças integrantes de uma creche, de modo a fornecer informações referentes à circulação destes vírus no Rio de Janeiro a partir da década de 90. Com este propósito a presença de NoV foi investigada em amostras fecais de 79 casos de gastrenterite aguda ocorridos em crianças internadas no Hospital Municipal Getúlio Vargas Filho, no ano de 2003, em Niterói, e em 452 amostras provenientes de casos de gastrenterite ocorridos na creche Bertha Lutz, na cidade do Rio de Janeiro, no período de 1994 a 2008. Métodos de amplificação genômica, PCR convencional e multiplex PCR em tempo real (Mrt PCR) foram utilizados para detecção e caracterização dos NoV do genogrupo (G) I e II. As amostras detectadas por ambos os métodos foram submetidas a um novo PCR para caracterização molecular pelo sequenciamento dos produtos obtidos. No primeiro estudo, os NoV foram detectados em 30,3% (24/79) dos casos internados, sendo caracterizados como: GII.4 (17), com três variantes: 2001, 2002, 2003; GII.6 (01); GII.21 (01), este último detectado pela primeira vez no Brasil. Os principais sintomas clínicos observados nas crianças, além da dirreia foram anorexia, dor abdominal, coriza, tosse e embora tenham sido detectadas diferenças nas proporções de casos positivos para o NoV em relação aos casos negativos, a análise estatística demonstrou que a frequência para o NoV não foi influenciada pelas manifestações clínicas avaliadas. Foi observado que crianças com um a dois anos de idade tem 4,2 vezes mais chances ter infecção por NoV quando comparadas com menores de um ano. E ainda foram caracterizados sete casos de infecção nosocomial por NoV GII.4. Em relação aos casos ocorridos na creche foram registrados 17 surtos sendo os NoV associados a 16 confirmando 33,8% (107/316) dos casos. Uma associação de 32,3% (44/136) também foi observada em casos esporádicos. A caracterização dos NoV detectados revelou a circulação de oito genótipos diferentes de GII, sendo GII.2; GII.3; GII.6; GII.7; GII.12; GII.14; GII.17,GII.4 e duas variantes (2001 e 2006b). As infecções por NoV ocorreram 2,29 vezes mais em crianças com quatro meses ou mais até os dois anos de idade quando comparadas ao grupo de maiores de dois até cinco anos de idade. Os casos positivos revelaram um aumento do número de infecções entre os meses de março e agosto, com um pico máximo em junho, coincidindo com o início do inverno. Com os dois estudos foi possível demonstrar a diversidade de genótipo de NoV. Nas amostras de origem hospitalar não foi caracterizado o GI, porém, esse genogrupo foi detectado nas amostras da creche, sendo GI.3 responsável por um surto ocorrido em 2000. Cinco variantes de GII.4 foram descritos. Os dados obtidos nestes estudos reforçam a importância da investigação dos NoV em casos de gastrenterite aguda, além de disponibilizar sequencias nucleotídicas para futuras análises da evolução dos diferentes genótipos de NoV circulantes na população do Estado do Rio de Janeiro, Brasil.
metadata.dc.description.abstractother: Norovirus (NoV) are considered emerging viruses, and are currently considered one of the main agents of outbreaks and sporadic cases of acute gastroenteritis. This study aimed to determine the frequency of NoV infections by retrospective analysis of acute gastroenteritis cases occurred in the state of Rio de Janeiro, Brazil, in two distinct populations. , including a group of children admitted to a hospital of the Public Health Network and children of a nursery. In order to provide information concerning the circulation of these viruses in Rio de Janeiro from the 90's, the presence of NoV was investigated in fecal samples from 79 cases of acute gastroenteritis occurring in children admitted at the Municipal Hospital Getulio Vargas Filho, Niterói, in 2003, and in 452 samples from cases occurring at Bertha Lutz day care center in the period of 1994 to 2008. Genomic amplification methodologies, including PCR and multiplex real time PCR (Mrt PCR) for simultaneous detection and characterization of genogroup (G) I and II were used to detect NoV. The samples detected by both methods were subjected to a new PCR for molecular characterization by sequencing the products obtained. In the first study, NoV was detected in 30.3% (24/79) of hospitalized children, being characterized as GII.4, with three different variants: 2001, 2002, 2003; GII.6 and GII.21 the latter was first detected in Brazil. The main clinical symptoms observed in children were anorexia, abdominal pain, runny nose, cough, diarrhea, and although there were no differences in the proportion of NoV positive samples when compared to negative cases, statistical analysis showed that the frequency for NoV was not influenced by clinical evaluation. It was observed that children aged two years old or less presented 4.2 times increased chances to get NoV infection by NoV GII when compared with children aged one year old or less. It was also observed seven cases of nosocomial infection by NoV GII.4. The day care center recorded 17 outbreaks of NoV linked to 16 confirmed outbreaks in 33.2% (107/316) of cases. An association of 33.8% (44/136) was also observed in sporadic cases. It was demonstrated the circulation of eight different NoV genotypes GII, and GII.2; GII.3; GII.6; GII.7; GII.12; GII.14; GII.17, and two variants GII.4 (2001 and 2006b). NoV infections occurred 2.29 times more in children aged four months old until the age of two years old when compared to the larger group of children aged two to five years of age. The positive cases showed an increase in number of infections between March and August, with a peak in June, coinciding with the onset of winter. These studies could demonstrate the genotypic diversity of NoV. In hospital samples GI was not characterized, however, this genogroup was detected in samples obtained from the day care, GI.3 being responsible for an outbreak in 2000. A great variety of genotypes were characterized in this period as well as the circulation of five variants of GII.4. The data from these studies reinforce the importance of NoV research in cases of acute gastroenteritis, and provide nucleotide sequences available for future analysis of the evolution of different NoV genotypes circulating in the state of Rio de Janeiro, Brazil.
URI: https://app.uff.br/riuff/handle/1/11705
Appears in Collections:PPGCM - Teses e Dissertações

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
Tese Final Monica Simões.pdf1.36 MBAdobe PDFView/Open


This item is licensed under a Creative Commons License Creative Commons