Please use this identifier to cite or link to this item: https://app.uff.br/riuff/handle/1/12033
Title: Conversa de surdos: quando antropólogos avaliam laudos de antropólogos. Os Estudos de Componente Indígenas para a FUNAI
Authors: Lobão, Ronaldo
Moraes, Patrícia Louise
Issue Date: 2016
Citation: LOBÃO, Ronaldo.; Moraes, Patrícia . CONVERSA DE SURDOS: quando antropólogos avaliam laudos de antropólogos. Os Estudos de Componente Indígenas para a FUNAI. Novos Debates: Fórum de Debates em Antropologia / Associação Brasileira de Antropologia, v. Vol.2, n.2, p. 141-150, 2016.126+
metadata.dc.relation.ispartof: Novos Debates: Fórum de Debates em Antropologia / Associação Brasileira de Antropologia, v. Vol.2, n.2, p. 141-150, 2016.
Abstract: Nesta comunicação, escrita como um ensaio, temos por objetivo indicar algumas relações que se estabelecem em contextos de processos de licenciamento ambiental nos quais o antropólogo responsável pelo estudo do componente indígena se encontra enredado em um tríplice compromisso. O primeiro com o grupo indígena potencialmente afetado/impactado pelo empreendimento. O segundo com o Termo de Referência que um antropólogo da FUNAI elabora e acompanha. O terceiro com o empreendedor, que afinal de contas é o “contratante”. Nos interessa especialmente o segundo enredamento, quando, por exemplo, o estudo aponta uma adequação entre os interesses e desejos dos índios e do empreendedor, mas não o do antropólogo da FUNAI. Mesmo que o Estudo siga o Termo de Referência e o Plano de Trabalho aprovado, qual o limite e alcance da posição do antropólogo da instituição frente ao antropólogo que esteve efetivamente em campo e trouxe para o mundo oficial o que viu, ouviu e escreveu? Se opor ao discurso de “proteção” dos legítimos (e eventualmente formais) interesses indígenas enunciado pelo antropólogo da FUNAI, implica em pensar que o antropólogo responsável pelo estudo se vendeu aos interesses (não tão legítimos...) do empreendedor? Ou há outros interesses pessoais em jogo? A partir de um caso envolvendo o licenciamento de um gasoduto da Petrobras que afetava terras Pataxó no extremo sul da Bahia, colocamos em questão a possibilidade de uma fusão de horizontes vazia entre o “laudo” do antropólogo de campo e o “laudo” do antropólogo da instituição.
URI: https://app.uff.br/riuff/handle/1/12033
Appears in Collections:NEPEAC - Artigos

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
1402013791_ARQUIVO_Artigo29RBA-ConversadeSurdos.pdf603.93 kBAdobe PDFView/Open


This item is licensed under a Creative Commons License Creative Commons