Please use this identifier to cite or link to this item: https://app.uff.br/riuff/handle/1/12399
Title: Avaliando a flexibilidade cognitiva através do protocolo Stroop
Authors: Oliveira, Vanessa Nunes
metadata.dc.contributor.advisor: Machado-Pinheiro, Walter
metadata.dc.contributor.members: Freire, Izabela Mocaiber
Santos, Pedro Paulo Pires dos
Issue Date: 2017
Publisher: Universidade Federal Fluminense
Abstract: Muitos pesquisadores têm utilizado o teste “Stroop” como ferramenta para acessar o funcionamento e a eficiência do sistema executivo atencional. O tempo médio necessário para nomear cores quando os estímulos Stroop são incongruentes (i.e., a palavra “AZUL” escrita em verde) é significativamente maior do que o tempo necessário para nomear a cor de uma barra colorida ou de um estímulo Stroop congruente (a palavra “AZUL” escrita em azul). Esta interferência de uma palavra sobre a nomeação da cor ficou conhecida como “Efeito Stroop” (STROOP, 1935). Uma importante variação desse teste é o chamado “Stroop Pareado”, no qual os voluntários são instruídos a comparar atributos de diferentes estímulos, sendo um deles um estímulo “Stroop”, e responder pressionando uma tecla conforme o resultado da comparação. No presente projeto utilizamos o protocolo Stroop pareado com seguidas mudanças de instruções para investigar a flexibilidade cognitiva. Assim, os voluntários eram instruídos a comparar a palavra ou a cor de estímulos Stroop centrais com barras coloridas ou nomes de cores escritos em branco: as tarefas Nome-Cor (NC) ou Cor-Nome (CN), respectivamente. Tais tarefas poderiam ser apresentadas num contexto blocado (bloco inteiro era composto pela mesma tarefa, sem mudança de instruções) ou num contexto randômico (várias mudanças de tarefas dentro de um bloco). Nossa hipótese era de que ocorreria um “custo de troca”, com lentificação dos tempos de reação e aumento na taxa de erros na sequência randômica em função das demandas criadas pela necessidade de adotar novas estratégias a cada mudança nas instruções. Os resultados mostraram que, de fato, existe uma interferência significativa nos testes onde as tarefas são alternadas. Acreditamos, que isso acontece em razão a dificuldade em superar a inércia atencional, ou seja, a tendência dos sujeitos em permanecerem focados em uma tarefa anteriormente realizada. Assim, vimos que é muito mais fácil responder ao mesmo estímulo o tempo todo do que alternadamente
URI: https://app.uff.br/riuff/handle/1/12399
Appears in Collections:RPS - Trabalho de Conclusão de Curso

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
TCC VANESSA NUNES.pdf3.08 MBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.