Please use this identifier to cite or link to this item: https://app.uff.br/riuff/handle/1/12616
Title: QUALIDADE DE VIDA EM PESSOAS VIVENDO COM HIV EM NOVA FRIBURGO/RJ
Authors: KLEIN, JÉSSICA DOMINIQUE BARROSO
metadata.dc.contributor.advisor: Germano, Fabiana Nunes
metadata.dc.contributor.members: Matos, Livia Pinto de Lima
Silva, Bianca Alcântara da
Bargut, Thereza Cristina Lonzetti
Issue Date: 20-Dec-2019
Publisher: Universidade Federal Fluminense
Citation: Klein, Jéssica Dominique Barroso. Qualidade de vida em pessoas vivendo com HIV em Nova Friburgo/RJ/. 2019. 71f. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Biomedicina)-Universidade Federal Fluminense , Instituto de Saúde de Nova Friburgo, 2019.
Abstract: A infecção pelo Vírus da Imunodeficiência Humana é causadora do enfrentamento de várias situações como: exclusão e estigma, rompimento de relações afetivas e sociais afetando a saúde física e mental, o bem-estar e consequentemente a qualidade de vida. Este trabalho busca avaliar aspectos relacionados à qualidade de vida dos pacientes HIV+. É um estudo observacional, transversal, que envolveu 83 pacientes infectados por HIV atendidos na Coordenação de IST/Aids de um centro de Referência da Região Serrana do Rio de Janeiro que responderam à 2 questionários, com informações sociodemográficas e de comportamentos de risco para a infecção por HIV e o WHOQOL-HIV Bref, respectivamente, o último citado é um instrumento da Organização Mundial da Saúde para avaliação da qualidade de vida em indivíduos HIV positivos. A média de idade foi de 42,63 anos, sendo o sexo feminino estatisticamente superior, com 45,3 (±13,64) anos (p=0,041; IC 95% 40,94 - 49,78). Em relação à escolaridade, a média de anos de estudo foi de 6,95 anos, sendo estatisticamente superior em mulheres (7,97±4,73) (p=0,031; IC 95% 6,44 - 9,51). No que diz respeito à etnia, 38,3% dos participantes se declararam brancos, 32,1% pardos e 27,2% negros. Quanto ao estado civil, 45,8% relataram ser solteiros, enquanto 41% (34/81) eram casados ou mantinham união estável. Sobre os fatores e comportamentos de risco, 57,8% disseram que a provável fonte de infecção foi a via sexual. Entre as mulheres, 87,2% foram infectadas via relações sexuais com homens e já entre os homens, 31,8% relataram infecção por relações homossexuais, 40,9% (18/44) por relações heterossexuais e 27,3% (12/44) relataram outras vias de infecção, com isso, a relação sexual foi estatisticamente significativa como fonte de infecção pelo HIV (p=0,0001). Quanto à orientação sexual, 77,8% relataram ser heterossexuais enquanto 16% se declararam homossexuais. As doenças oportunistas foram relatadas por 31,3% (25/80) dos entrevistados, antes do início do tratamento. A qualidade de vida foi considerada em nível intermediário, onde os domínios Relações Sociais, Psicológico e espirituais/Religião/Crenças foram os mais positivos e os domínios nível de independência e meio ambiente foram os mais negativos. Doenças oportunistas foram relatas, como candidíase oral, além disso comparamos a situação clínica em relação à condição quantitativa de carga viral e contagem de células TCD4+.
metadata.dc.description.abstractother: Human Immunodeficiency Virus infection causes several situations such as: exclusion and stigma, disruption of affective and social relationships affecting physical and mental health, well-being and consequently the quality of life. This paper aims to evaluate aspects related to the quality of life of HIV + patients. This is an observational, cross-sectional study involving 83 HIV-infected patients treated at the STI / AIDS Coordination of a Reference Center in the Rio de Janeiro Highland Region who answered 2 questionnaires with sociodemographic information and risk behaviors for HIV infection and WHOQOL-HIV Bref, respectively, the latter is a World Health Organization tool for assessing quality of life in HIV-positive individuals. The average age was 42.63 years, being the female statistically superior, with 45.3 (± 13.64) years (p = 0.041; 95% CI 40.94 - 49.78). Regarding education, the average years of schooling was 6.95 years, being statistically higher in women (7.97 ± 4.73) (p = 0.031; 95% C 6.44 - 9.51). Regarding ethnicity, 38.3% of participants declared themselves white, 32.1% brown and 27.2% black. Regarding marital status, 45.8% reported being single, while 41% (34/81) were married or had a stable union. Regarding risk factors and behaviors, 57.8% said that the probable source of infection was the sexual route. Among women, 87.2% were infected via sexual intercourse with men and among men, 31.8% reported infection by homosexual intercourse, 40.9% (18/44) by heterosexual intercourse and 27.3% (12 / 44) reported other routes of infection, thus, sexual intercourse was statistically significant as a source of HIV infection (p = 0.0001). Regarding sexual orientation, 77.8% reported being heterosexual while 16% reported being homosexual. Opportunistic diseases were reported by 31.3% (25/80) of respondents before treatment began. Quality of life was considered at an intermediate level, where the Social Relations, Psychological and Spiritual / Religion / Belief domains were the most positive and the Independence and Environment level domains were most negative. Opportunistic diseases were reported, such oral candidiasis and we compared the clinical situation in relation to the quantitative viral load condition and TCD4+ cell count.
URI: https://app.uff.br/riuff/handle/1/12616
Appears in Collections:CGB - Trabalhos de Conclusão de Curso - Nova Friburgo

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
Jéssica Dominique Barroso Klein.pdfKleinJDB1.98 MBAdobe PDFView/Open


This item is licensed under a Creative Commons License Creative Commons