Please use this identifier to cite or link to this item: https://app.uff.br/riuff/handle/1/12629
Title: Fluxo arterial cerebral materno na gestação normal por ultrassonografia doppler
Authors: Silva, Fernanda Campos da
metadata.dc.contributor.advisor: Sá, Renato Augusto Moreira de
metadata.dc.contributor.advisorco: Velarde, Luis Guillermo Coca
metadata.dc.contributor.members: Fonseca, Clóvis Orlando Pereira da
Vasconcelos, Marcio Moacyr
França, Bartolomeu Expedito da Câmara
Trajano, Alexandre José Baptista
Vasconcellos, Marcus José do Amaral
Issue Date: 2011
Citation: SILVA, Fernanda Campos da. Fluxo arterial cerebral materno na gestação normal por ultrassonografia Doppler. 2011. 100 f. Tese (Doutorado em Ciências Médicas) - Universidade Federal Fluminense, Niterói, 2011.
Abstract: A hipertensão arterial é uma das principais causas de morte materna em todo o mundo, principalmente por suas graves complicações cerebrais como a eclâmpsia e a hemorragia cerebral. Acredita-se que haja na pré-eclâmpsia uma falha na adaptação circulatória esperada na gestação que seria responsável pela síndrome clínica. O estudo do fluxo arterial cerebral por ultrassonografia Doppler é promissor para um melhor entendimento da fisiopatologia da pré-eclâmpsia e dos eventos cerebrais. O principal objetivo do trabalho foi avaliar o fluxo nas artérias carótidas comum e interna, e na artéria vertebral na gestação normal, estabelecendo valores de referência a serem utilizados em estudos posteriores. Além disso, também foram avaliadas possíveis diferenças entre o lado direito e esquerdo, a influência da idade gestacional nas medidas de velocidade e dos índices de resistência avaliados pelo Doppler, e a influência da idade gestacional sobre o diâmetro do vaso. Houve interesse especial no estudo da circulação para o cérebro posterior por ser o território mais acometido. Duzentos e vinte e seis gestantes sadias entre 20 e 40 semanas de gestação foram examinadas por ultrassonografia Doppler. A idade média das gestantes foi de 27,3 anos. As variáveis dependentes avaliadas em cada vaso foram: velocidade sistólica máxima, velocidade diastólica mínima, índice de resistência, índice de pulsatilidade, relação sístole/diástole e diâmetro do vaso. Foram insonadas as artérias carótidas comum, interna e a artéria vertebral dos lados direito e esquerdo. A análise estatística foi realizada com o programa S-Plus 8.0. Como os dados tiveram distribuição normal, possíveis diferenças lado-a-lado foram avaliadas pelo teste t pareado de Student, correlação linear e pelos gráficos de diferença de Bland-Altman. Possíveis relações das variáveis dependentes com a idade gestacional foram avaliadas por regressão linear simples. Também foi testada a variabilidade intra-observador. Foi escolhido um nível de significância de 95% para todas as análises. Como resultado, observamos que apesar de terem médias iguais, a baixa correlação e a grande variabilidade dos valores encontrados para as variáveis não nos garantem a igualdade entre os lados, de modo que o exame deve ser realizado dos dois lados do pescoço. Quanto à influência da idade gestacional, nas artérias carótidas observa-se uma diminuição dos índices de resistência e das medidas de velocidade ao longo da gestação. O mesmo não foi observado nas artérias vertebrais, onde a idade gestacional não influenciou os valores encontrados. O diâmetro das artérias carótidas aumentou entre 20 e 40 semanas de gestação, enquanto que nas artérias vertebrais isso não foi observado. Pudemos concluir que, ao menos no território anterior, a resistência ao fluxo cerebral diminui ao longo da gestação, possivelmente pela vasodilatação observada. Foram notadas diferenças significativas no Doppler das artérias vertebrais. A não observação da alteração de fluxo nas artérias vertebrais pode estar associada à pior regulação de fluxo sanguíneo para a região posterior do cérebro já descrita anteriormente na população não grávida
metadata.dc.description.abstractother: Hypertension is a major cause of maternal death worldwide mainly due to its severe cerebral complications such as eclampsia and cerebral hemorrhage. It is believed that in preeclampsia there is failure in circulatory adaptation expected in pregnancy, and it would be responsible for the clinical syndrome. The study of cerebral blood flow by Doppler ultrasound is promising for a better understanding of the pathophysiology of preeclampsia and its cerebral events. The main objective was to evaluate blood flow in the common and internal carotid arteries, and the vertebral artery in normal pregnancy, establishing reference values to be used in future studies. Moreover, we evaluated possible differences between right and left sides, the influence of gestational age in velocity measures and resistance indices by Doppler, and the influence of gestational age on the vessel diameter. There was particular interest in studying blood flow to the posterior territory of the brain, since it is most affected.226 healthy pregnant women between 20 and 40 weeks of gestation were examined by Doppler ultrasound. Their mean age was 27,3 years. The dependent variables assessed in each vessel were: peak systolic velocity, end diastolic velocity, resistance index, pulsatility index, the systolic / diastolic ratio, and vessel diameter. The common and internal carotid arteries, and vertebral artery were evaluated on the right and left sides of the neck. The software S-Plus 8.0 performed statistical analysis. Because the data had normal distribution, paired t test of Student, and the linear correlation plots of Bland-Altman difference evaluated possible side-to-side differences. Relations between the dependent variables and gestational age were evaluated by simple linear regression. We also tested the intraobserver variability. We chose a significance level of 95% for all analysis. Our results indicate that despite having equal means, the low correlation and high variability of values for the variables equality between the sides cannot be guaranteed, so that the test should be performed on both sides of the neck. The association of gestational age and Doppler parameters was observed especially in the carotid arteries. A decrease of the resistance and velocity measurements throughout gestation suggested an increased flow through these arteries. The same was not observed in the vertebral arteries, where the gestational age did not influence the values found. The diameter of the carotid arteries increased between 20 and 40 weeks of gestation, whereas in the vertebral arteries that was not observed. We concluded that, at least in the anterior territory, resistance to cerebral blood flow decreases during pregnancy, possibly due to the observed vasodilation. Significant differences in flow were noted in the vertebral artery Doppler exam. Failure to observe this change during pregnancy in the vertebral arteries may be associated with poor regulation of blood flow to the posterior region of the brain previously described in non-pregnant population
URI: https://app.uff.br/riuff/handle/1/12629
Appears in Collections:PPGCM - Teses e Dissertações

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
Dissertação Final Fernanda.pdf1.62 MBAdobe PDFView/Open


This item is licensed under a Creative Commons License Creative Commons