Please use this identifier to cite or link to this item: https://app.uff.br/riuff/handle/1/13275
Title: Faces do extremo: uma análise do neofascismo nos Estados Unidos da América 1970-2010
Authors: Poggi, Tatiana
metadata.dc.contributor.advisor: Mendonça, Sonia Regina de
metadata.dc.contributor.members: Silva, Francisco Carlos Teixeira da
Tota, Antonio Pedro
Kocher, Bernardo
Ferreras, Norberto Osvaldo
Issue Date: 2012
Abstract: Esta tese propõe-se a desenvolver um trabalho de análise e comparação entre três organizações neofascistas norte-americanas - National Alliance, White Aryan Resistance e Aryan Nations - de forma a compreender a diversidade de estratégias de ação e mobilização política dentro de um mesmo campo político-ideológico, o neofascismo. Nesse sentido, serão analisados os materiais de mídia produzidos pelas organizações, que visam construir consciência, promovendo uma visão de mundo racista, xenófoba, autoritária e violenta. A prática social das organizações será investigada não apenas pelo discurso construído por elas nos materiais de mídia, mas também a partir de documentos ligados à prevenção e combate dos crimes de ódio [hate crimes], produzidos por instituições públicas e privadas. Tomando com elemento estruturador as referências teóricas de Antonio Gramsci, buscaremos compreender o processo de expansão do conservadorismo, em suas vertentes neoliberal, segregacionista e neofascista, bem como a multiplicação de aparelhos privados e projetos políticos alinhados com elas no seio da sociedade norte-americana contemporânea. Parte-se da hipótese de que a crise do reformismo e o concomitante o processo histórico de rearticulação das forças conservadoras atingiram um ponto crítico nos anos 1960 e 1970. As reações às políticas de inclusão civil-democrática, bem como as mudanças observadas no mercado de trabalho, trazidas com a crise do padrão de acumulação fordista, e o decorrente depauperamento econômico vivenciado por setores dominados, catapultaram a vitória do conservadorismo como paradigma, desde suas expressões mais pragmáticas e individualistas, até as mais xenófobas e autoritárias.
metadata.dc.description.abstractother: This thesis intends to develop a comparative analisys of three north-american neofascist organizations - National Alliance, White Aryan Resistance and Aryan Nations - to unsderstand the diferent strategies of struggle and political mobilizations in the fied of neofascism. Thus, this research will reach for the media materials produced by the organizations, which intend to build conscience and promote a racist, xenofobic, authoritarian and violent worldview. The social practices of the organizations will be investigated not only through the discourse constructed by the organizations, but also through documentation over the prevention and combat of hate crimes, produced by law enforcement agencies and private institutions. Using the theory of Antonio Gramsci as a structuring element, we’ll unveil the process of expansion of conservatism and the growth of groups and institutions aligned with it in contemporary USA. The hipothesis raised is that the crisis of reformism and the historical process of rearticulation of conservative forces reached a critical point in the 1960’s and 1970’s. The reactions against the civil-democratic policies, the changes in the labour market (brought by the accumulation crisis of fordism) and the consequent deteriorating quality of life experienced by the working class ignited the victory of conservatism, from its pragmatic and individualistc expressions to the most xenofobic and authoritarian ones.
URI: https://app.uff.br/riuff/handle/1/13275
Appears in Collections:PPGH - Teses - Niterói

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
Tatiana Pogg - Historia - Tese.pdf38.6 MBAdobe PDFView/Open


This item is licensed under a Creative Commons License Creative Commons