Please use this identifier to cite or link to this item: https://app.uff.br/riuff/handle/1/157
Title: Mina, Angola e Guiné: nomes d’África no Rio de Janeiro setecentista
Authors: Soares, Mariza de Carvalho
Issue Date: Dec-1998
Citation: SOARES, Mariza. Mina, Angola e Guiné: nomes d’África no Rio de Janeiro setecentista. Tempo, Niterói, v. 3 – n. 6, p. 73-94, dez.1998. Disponível em: <http://www.historia.uff.br/tempo/artigos_dossie/artg6-6.pdf>.
Abstract: No Brasil, os escritos são fartos no uso dos termos “preta-mina”, “nação angola” e “escravos de Guiné”. Essas expressões costumam acompanhar o nome dos escravos ou ser incorporadas a eles: Antônio Mina, Manoel do Gentio de Guiné, Elório Cabinda. Em todos os casos, o nome traz a marca de uma designação de grupo. Cada uma dessas designações vem acompanhada de características físicas e comportamentais, formas de vestir, línguas, crenças. Combinadas umas às outras, essas descrições permitem vislumbrar uma enorme variedade de critérios a partir dos quais os africanos são enquadrados na sociedade: os escravos apropriados ao trabalho doméstico, os que melhor servem às atividades mineradoras e, no caso das mulheres, porque não, as mais desejáveis parceiras sexuais. Mais que uma forma de identificar escravos, este é um recurso adotado para classificar e organizar a escravaria traficada da África para a América. Apesar das constantes referências, a historiografia contemporânea tem minimizado a importância das culturas e da composição étnica da escravaria africana e se ocupado de temas como a escravidão, o tráfico e a vida no cativeiro. Esta tendência tem levado ao uso indiferenciado de categorias do discurso da época (como cor) e conceitos do campo acadêmico (como raça e etnia), não dando o devido destaque ao fato de que, mesmo quando recobrem universos empíricos idênticos, elas correspondem a indagações teóricas de diferentes ordens. Deixando de lado a questão da raça, vou deter-me na controvérsia sobre o uso da noção de identidade étnica, recorrendo, para isso, aos mais antigos livros de assento de batismo de escravos do Arquivo Metropolitano da Cúria do Rio de Janeiro, relativos à cidade do Rio de Janeiro, entre os anos de 1718 e 1760.
URI: https://app.uff.br/riuff/handle/1/157
Appears in Collections:LABHOI - Artigos de periódicos e Trabalhos apresentados em Eventos

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
SOARES, Mariza - Mina, Angola e Guiné.pdf66.15 kBAdobe PDFView/Open


This item is licensed under a Creative Commons License Creative Commons