Please use this identifier to cite or link to this item: https://app.uff.br/riuff/handle/1/179
Title: Conflitos de terra e quilombos na colonização do Rio de Janeiro (1808-1831)
Authors: Lima, Renata Azevedo
Martins, Mônica de Souza Nunes
metadata.dc.contributor.advisor: Piñeiro, Théo Lobarinhas
metadata.dc.contributor.members: Saraiva, Luiz Fernando
Issue Date: 2013
Citation: LIMA, Renata Azevedo. Conflitos de terra e quilombos na colonização do Rio de Janeiro (1808-1831). 2013. Dissertação (Mestrado em História) – Departamento de História, Universidade Federal Fluminense. Niterói, 2013. Disponível em: <http://www.historia.uff.br/stricto/td/1704.pdf>.
Abstract: Esta pesquisa aborda conflitos de terra que configuraram a ocupação territorial fluminense submetida ao projeto colonizador português. O objeto de destaque nestas disputas é uma localidade denominada Quilombo, atualmente situada no município de Casimiro de Abreu (RJ). A presença deste nome em mapas contemporâneos como designação oficial de uma região onde não há negros, mas descendentes de colonos suíços, foi o indício primordial para uma investigação acerca da resistência escrava naquela localidade. Em cartas, ofícios e declarações produzidos durante a década de 1820, colonos suíços afirmaram que prenderam quilombolas e destruíram quilombos, se apossando de suas terras. Notícias de jornal e mapas das três primeiras décadas do século XIX também forneceram informações sobre qui8lombolas e suas instalações nesta região. No âmago das relações de trabalho que constituíram o escravismo colonial brasileiro, o marco cronológico de limiar desta pesquisa é a implantação da família real e corte portuguesa no Rio de Janeiro, em 1808, quando mudanças demográficas expressivas ocorreram, expandindo a colonização antes concentrada no litoral para o interior, com a ocupação da Serra do Mar onde se localizavam quilombos. O marco que finaliza o período desta pesquisa é o término do reinado de D. Pedro I, em 1831, quando foi promulgada a lei Feijó, que garantia liberdade aos escravos chegados ao país a partir desta data, e ano de suspensão oficial das imigrações européias.
metadata.dc.description.abstractother: This research approach land conflicts that shaped the territorial occupation of Rio de Janeiro submitted to the Portuguese colonizing project. The object highlighted in these disputes is a place called Quilombo (Maroon settlement on runaway slave settlement), currently located in the municipality of Casimiro de Abreu (RJ). The presence of this name in contemporary maps as the official denomination of a region where there are no blacks, but descendants of Swiss colonists, was the primary indication for an investigation into the slave resistance in the locality. In letters, crafts and statements produced during the 1820s, Swiss colonists said they arrested Maroons and destroyed the Maroons settlements, seizing their lands. Newspaper reports and maps of the first three decades of the nineteenth century also provide information about Maroons and their settlement in this region. At the core of labor relations that constituted the Brazilian colonial slavery, the chronological milestone threshold of this research in the transference of the Portuguese royal family and court to Rio de Janeiro, in 1808, where significant demographic changes occurred, before expanding colonization concentrated on the coast to the interior, the occupation of the Serra do Mar (Sea’s Mountain) where was located Maroon settlements. The milestone that ends the period of this research is the conclusion of D. Pedro I’s reign in 1831, when the Act Feijó was enacted, which garanteed freedom to slaves arrived in Brazil as from this date, and year of official suspension of European immigration.
URI: https://app.uff.br/riuff/handle/1/179
Appears in Collections:PPGH - Dissertações - Niterói

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
Lima, Renata-Dissert-2013.pdf6.91 MBAdobe PDFView/Open


This item is licensed under a Creative Commons License Creative Commons