Please use this identifier to cite or link to this item: https://app.uff.br/riuff/handle/1/22302
Title: O Banco mundial como ator político, intelectual e financeiro (1944-2008)
Authors: Pereira, João Márcio Mendes
metadata.dc.contributor.advisor: Fontes, Virgínia Maria
metadata.dc.contributor.members: Fiori, José Luís
Porto-Gonçalves, Carlos Walter
Leher, Roberto
Pronko, Marcela
Issue Date: 2009
Citation: PEREIRA, João Márcio Mendes. O Banco mundial como ator político, intelectual e financeiro (1944-2008). 2009. 366f. Tese (Doutorado em História)- Universidade Federal Fluminense, Niterói, 2009.
Abstract: O foco desta pesquisa é a ação do Banco Mundial, as pressões que a modelaram e os interesses a que serviu ao longo da sua história. O trabalho se apóia empiricamente em fontes documentais do próprio Banco e em extensa literatura estrangeira. A hipótese central é de que o Banco age, desde as suas origens, como um ator político, intelectual e financeiro, e o faz devido à sua condição singular de emprestador, formulador de políticas, ator social e produtor e/ou veiculador de idéias sobre o que fazer, como fazer, quem deve fazer e para quem em matéria de desenvolvimento capitalista. Ao longo da sua história, o Banco sempre explorou a sinergia entre dinheiro, prescrições políticas e conhecimento econômico para ampliar sua influência e institucionalizar sua pauta de políticas em âmbito nacional, tanto por meio da coerção (constrangimento junto a outros financiadores e bloqueio de empréstimos) como, mais frequentemente, da persuasão (diálogo com governos e assistência técnica). A tese mostra que os atributos de poder que gradualmente deram ao Banco uma condição ímpar entre as demais organizações internacionais criadas no pós-guerra decorreram de contingências históricas, decisões institucionais e, fundamentalmente, da supremacia norte americana. O Banco foi, em grande medida, uma criação dos Estados Unidos e a sua subida à condições de organização internacional relevante foi escorada, do ponto de vista político e financeiro, pelos EUA, que sempre foram o maior acionista e o membro mais influente. As relações com os EUA, sob a forma de apoio, injunções e críticas, foram decisivas para o crescimento e a configuração geral das políticas e práticas institucionais do Banco. Em troca, os EUA se beneficiaram largamente da ação do Banco em termos econômicos e políticos, mais do que qualquer outro grande acionista, tanto no curto como no longo prazos. As relações com o poder norte-americano foram e continuam sendo fundamentais para a definição da direção, da estrutura operacional e das formas de atuação do Banco. Por sua vez, a política norte-americana para o Banco sempre foi objeto de disputa entre interesses empresariais, financeiros, político, ideológicos e de segurança diversos, às vezes radicalmente diversos, quanto ao papel da cooperação multilateral e da assistência externa ao desenvolvimento capitalista. Com o passar do tempo, tal disputa passou a envolver um número cada vez maior e diversificado de atores políticos e econômicos, inclusive organizações não-governamentais baseadas em Washington DC e internacionais.
metadata.dc.description.abstractother: This research focuses on the action of the World Bank, the pressures that modeled it and the interests it served throughout its history. The work is empirically based on documents from the Bank itself and on a broad foreign literature on the subject. The main hypothesis is that the Bank acts, since its origins, as a political, social and financial actor and it does so due to its singular condition of lender, policy designer, social actor and producer and/or broadcaster of ideas about what to do, how to do, who should do and to whom concerning the capitalist development. Throughout its history, the Bank always exploited the synergy between money, political recipes and economic knowledge to broaden its influence and institutionalize its set of policies at the national levels, both through coercion (constraints towards other financiers and loan blockages) and through, more frequently, persuasion (dialogue with governments and technical assistance). The thesis shows that the attributes of power that gradually gave the Bank a single condition amongst the other international organizations created in the post-war came from historical contingencies, institutional decisions and, fundamentally, the North American supremacy. The Bank was, to a large degree, a creation of the United States and its rise to the condition of relevant international organization was backed up, from a political and an economical point of view, by the USA, always the main share holder and most influential member. The relationship with the USA, materialized as support, injunctions and critique, was decisive for the growth and general setting of the policies and institutional practices of the Bank. In exchange, the USA benefited largely from the Bank’s action in economical and political terms, more than any other large share holder, both in short and long terms. The relationship with the North-American power was and continues to be fundamental for the definition of the direction, operational structure and procedures of the Bank. On the other hand, the North-American policy towards the Bank was always the focus of dispute between diverse entrepreneurial, financial, political, ideological and security interests, sometimes radically distinct, concerning the role of multilateral cooperation and foreign assistance to the capitalist development. With the passing of the time, such dispute began to involve an ever growing and diverse number of political and economical actors, including Washington DC based and international NGOs.
URI: https://app.uff.br/riuff/handle/1/22302
Appears in Collections:PPGH - Teses - Niterói

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
Tese-2009_PEREIRA_Joao_Marcio_Mendes-S.pdf2.36 MBAdobe PDFView/Open


This item is licensed under a Creative Commons License Creative Commons