Please use this identifier to cite or link to this item: https://app.uff.br/riuff/handle/1/22305
Title: História, memória e deserto: os soldados brasileiros no Batalhão Suez (1957-1967)
Authors: Arraes Filho, Manoel Ricardo
metadata.dc.contributor.advisor: Rollemberg, Denise
metadata.dc.contributor.members: Essus, Ana Maria Mauad de Sousa Andrade
Quadrat, Samantha Viz
Araújo, Maria Paula Nascimento
Martinho, Francisco Carlos Palomanes
Issue Date: 2009
Citation: ARRAES FILHO, Manoel Ricardo. História, memória e deserto: os soldados brasileiros no Batalhão Suez (1957-1967). 2009. 291 f. Tese (Doutorado em História) - Universidade Federal Fluminense, Niterói, 2009.
Abstract: Este trabalho faz uma análise sobre a primeira Força de Paz da ONU, enviada para a região do Oriente Médio, compondo a UNEF (United Nations Emergency Force). Deste modo, o Exército brasileiro enviou ao Egito um Batalhão de Infantaria com efetivo acumulado de aproximadamente 6.300 homens (de janeiro de 1957 a julho de 1967), denominado de "Batalhão de Suez", integrando a Força de Emergência das Nações Unidas I (FENU I), organizada com a finalidade de separar forças egípcias e israelenses. Neste estudo, o interesse consiste em reconhecer as impressões daqueles "homens de paz", em um mundo de ódio secular e de identidades extremamente diferentes; e descobrir suas visões acerca do conflito, sobre a vida cotidiana do povo e da cultura de egípcios, palestinos e israelenses; enfim, resgatar a memória e a história da participação dos militares brasileiros. Para tanto, a análise foi realizada a partir do corpus de entrevistas com treze soldados piauienses, e também por meio de depoimentos de veteranos de outros Estados brasileiros, sobre si próprios, a realidade vivida e a cultura material que encontraram no contexto do processo de paz instaurado no deserto do Sinai, na Faixa de Gaza e em Jerusalém, durante a Missão de Paz. O estudo da História do Batalhão Suez, foi realizado com base em documentos oficiais da ONU, dos Exércitos e da UNEF, tais como relatórios, ofícios, memorandos, mapas, correspondências etc., disponíveis nos arquivos do Exército e nos sites oficiais da ONU e do Batalhão Suez. A História Oral tornou-se fundamental no desenvolvimento inicial da pesquisa, posto que reconhecer os depoimentos como fontes históricas relevantes, construídas na relação entrevistador e entrevistado, é fortalecer e amadurecer uma concepção de história que problematiza os sujeitos "ordinários" e os significados que atribuem às suas experiências, expressos por meio de seus valores, atitudes e crenças; em outras palavras, sua subjetividade. Uma vez que se trabalhou com a História Oral, antes de tudo, como uma metodologia, as fontes orais foram pensadas não exclusivamente como fornecedoras de informações em si mesmas, mas como reveladoras de importantes significados da Missão para a paz na região e na vida de cada um dos entrevistados.
URI: https://app.uff.br/riuff/handle/1/22305
Appears in Collections:PPGH - Teses - Niterói

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
História, Memória e Deserto - Os soldados Brasileiros no Batalhão Suez (1957-1967).pdf287.28 MBAdobe PDFView/Open


This item is licensed under a Creative Commons License Creative Commons