Please use this identifier to cite or link to this item: https://app.uff.br/riuff/handle/1/22404
Title: As mulheres negras por cima: o caso de Luzia Jeje: escravidão, família e mobilidade social - Bahia, c.1780-c.1830
Authors: Alves, Adriana Dantas Reis
metadata.dc.contributor.advisor: Faria, Sheila de Castro
metadata.dc.contributor.members: Castro, Hebe Maria da Costa Mattos Gomes de
Mott, Luiz Roberto de Barros
Carvalho, Marcus J. M. de
Vainfas, Ronaldo
Issue Date: 2010
Abstract: Em 1807, o senhor de engenho, Capitão Manoel de Oliveira Barrozo, morador na Freguesia de Paripe, Recôncavo Baiano, legitimou e libertou seis filhos pardos e os estabeleceu como herdeiros. Todos foram concebidos pela escrava jeje Luzia Gomes de Azevedo. A trajetória dessa família é o objeto principal desta tese. Através de testamentos, inventários, processos cíveis, escrituras públicas, jornais, assentos de casamentos/batismos, vasta bibliografia e documentos diversos, foi possível relacionar escravidão com cultura sexual/família, patriarcado/gênero, cor/mestiçagem, paternidade/legitimidade, e mobilidade social. Percebemos que os simbolismos sexuais relativos às mulheres "de cor", ao mesmo tempo em que as deixavam vulneráveis, poderiam torná-las importantes mecanismos de ascensão ao nível dos brancos. Revisitei as discussões sobre família escrava na Bahia, incluindo as políticas de gênero como fatores relevantes na definição de estratégias de organização e controle das escravarias. E, finalmente, tentei desvendar os enigmas das classificações de cores no período colonial, relacionando-os com processos de inserção de libertos no mundo dos livres.
URI: https://app.uff.br/riuff/handle/1/22404
Appears in Collections:PPGH - Teses - Niterói



This item is licensed under a Creative Commons License Creative Commons