Please use this identifier to cite or link to this item: https://app.uff.br/riuff/handle/1/2575
Title: Sapos e Príncipes? A literatura, a formação, as metamorfoses e o destino da gente
Authors: Pereira, Dinelza de Andrade
metadata.dc.contributor.advisor: Ferreira, Maria Onete Lopes
metadata.dc.contributor.members: Rissardo, Agnes Danielle
Marton, Silmara Lídia
Issue Date: 24-Oct-2016
Abstract: Este texto versa sobre a importância da literatura na formação humana. Trata-se de uma breve reflexão desenvolvida com o propósito de satisfazer a curiosidade pela qual fui acometida ao conhecer esta temática, na universidade. Os primeiros passos neste processo de conhecimento inicial que, dentre outros autores, aproximou-me de Antônio Candido, produziu não apenas a curiosidade de fazer descobertas acerca desta arte chamada literatura, mas de entender como ela contribuiria para tirar as vendas que nos colocam nos olhos desde cedo na vida. Do contato inicial surgiram indagações sobre as razões da falta de incentivo para a formação do leitor na escola e sobre os porquês de não sentirmos falta deste alimento. A partir de minha própria história fui, por vezes, fazendo costuras sobre o tecido que eu ia aos poucos enxergando, assim como em outras tantas vezes tive que descosturar o terreno social, no qual, fui forjada mulher dona de casa. Neste vai e vem, faz e desfaz, fui encontrando explicações para a negação, aos que não nascem dentre os socialmente favorecidos pelas outras riquezas, do direito que não tive de gostar de ler. Assim, a partir de leituras e conversas relacionadas ao tema tanto em sala de aula, como em outras orientações, foi se desvelando o verdadeiro sentido, bem como a importância da literatura e da leitura na vida de um aluno. O processo e os resultados preliminares que apresento neste relato apontam os benefícios, assim como os porquês de não ser fomentado nem o hábito e nem o gosto pela literatura como um direito humano básico. Ora, se a leitura é um processo libertador, conforme descobri, sua prática é incompatível com a vida numa sociedade de luta de classes. Sendo assim, a conclusão do estudo apontou não para uma resposta afirmativa, mas para questões como: neste tipo de sociedade, aos filhos das classes subalternas, cabe a quem o incentivo à leitura? Aos pais? À escola? E quando esse leitor não teve oportunidade de ter contato com a leitura por causa de sua classe social de origem, a quem devemos imputar a responsabilidade por suas condutas inaceitáveis, do ponto de vista das normas e leis que o regem?
metadata.dc.description.abstractother: This text is about the importance of literature in human being development. This is a brief reflection developed in order to satisfy the curiosity which I was affected when I known this subject at university. The first steps in this knowledge process, among others authors, it approached me Antônio Candido. It is not produced only the curiosity to make discoveries about this art called literature, but to understand how it would help to take off a blindfold that it put in our eyes from early in life. This initial contact it came questions about the reasons for the lack of incentive for the reader's education at school and about the questions that we do not feel the lack of this supply. From my own story, I was sometimes making links, I would gradually seeing and I sometimes was deconstructing to unravel the social field. I was forged as a housewife. In this comes and goes, I was finding explanations for the denial those who was not born from the socially favored by other riches and the right that I did not have to enjoy reading. Thus, from readings and conversations about this subject in the classroom and in other directions, it was disclosing the true meaning and the importance of literature and reading in the student’s life. The process and the preliminary results that I show in this report, it points out the benefits, as well as the reasons that it was not promoted or the habit nor the interested for literature as a basic human being right. But if reading is a liberating process, as I discovered, its practice is incompatible with life in a class struggle of society. Thus, the conclusion of this study does not pointed a affirmative answer, but it pointed questions such as: in this type of society, the children of the lower social class, who has the responsibility for encourage reading? Parents? School? And when that reader did not have the opportunity and contact with reading because of their social class of origin, to whom we impute responsibility for their unacceptable conduct, from the point of view of the rules and laws that govern it?
URI: https://app.uff.br/riuff/handle/1/2575
Appears in Collections:SGG- Trabalho de Conclusão de Curso

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
monografia.final.pedagogia.dinelza.aprovada.2016.pdf767.75 kBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.