Please use this identifier to cite or link to this item: https://app.uff.br/riuff/handle/1/3778
Title: Investigação sobre queixas de memória e transtornos associados em acadêmicos de medicina da Universidade Federal Fluminense
Authors: Nunes, Thiago Coronato
metadata.dc.contributor.advisor: Fonseca, Vilma Aparecida da Silva
metadata.dc.contributor.members: Fonseca, Vilma Aparecida da Silva
Maróstica, Elizabeth
Aguiar, Aline Silva de
Mattos, Hélcio Fernandes
Santos, Rachel Moreira Morais dos
Mendlowicz, Mauro Vitor
Issue Date: 5-Jun-2017
Abstract: É comum a queixa de dificuldade de memória em jovens, levando muitos deles a automedicação com estimulantes como o metilfenidato. Objetivos: Encontrar a prevalência de queixas de memória em estudantes de medicina, e sua comorbidade com transtornos de humor, ansiedade e de uso de substâncias. Metodologia: 59 estudantes do último ano de Medicina da UFF foram avaliados através do Inventário de depressão de Beck, Inventário de ansiedade de Beck, Questionário para triagem do uso de álcool, tabaco e outras substâncias (ASSIST), Escala de queixas subjetivas de memória. Resultados: Investigamos 32 homens e 27 mulheres, com idade média de 25,7 anos, dos quais 61% apresentavam queixa de memória, 54% consideravam que sua ansiedade atrapalhava seu desempenho, 10% apresentavam ideação suicida, 64% insônia significativa com 6,4 horas em média de sono. Álcool (93%), tabaco (32%), maconha (27%) e hipnóticos/sedativos (17%) foram as substâncias mais utilizadas nos últimos 3 meses. Não possuir religião foi estatisticamente significante (Spearman p<0,05) com utilizar substâncias psicoativas. Identificamos que quem tem ansiedade moderada a alta tem queixa de memória (Fisher: p=0,0432). Discussão: O fator que apresentou relevância estatística para piora da queixa de memória entre jovens acadêmicos de Medicina foi a ansiedade, que parece ser negativa nos processos cognitivos da percepção sobre a capacidade de memorização. Nenhum dos jovens investigados possuía déficit real no seu desempenho acadêmico. Diferentemente dos problemas cognitivos dos idosos, a queixa cognitiva dos jovens é relativa, relacionada com uma percepção subjetiva e dependente do grau de ansiedade que estão apresentando. Conclusão: Ansiedade demonstrou estar relacionada com queixas de memória em jovens. Estimulantes, medicamentos que reconhecidamente aumentam a ansiedade estão contra-indicados. É possível afirmar que a prescrição de alguns antidepressivos, benzodiazepínicos em doses ansiolíticas ou outras medidas não farmacológicas como a prática de “mindfulness" (atenção plena), sejam a medida mais adequada nessas situações
metadata.dc.description.abstractother: The memory difficulty complaint is common in young people, which leads to many to self-medication with stimulants such as methylphenidate. Goals: Finding the prevalence of memory complaints in medicine students, and its comorbidity with humor disorders, anxiety and substance use. Methodology: 59 students from senior year in Medicine at UFF were evaluated through Beck Depression Inventory, Beck Anxiety Inventory, Alcohol, tobacco and other substances use screening quiz (ASSIST), Subjective memory complaints scale. Results: We investigated 32 men and 27 women, at an average age of 25.7, from whom 61% presented memory complaint, 54% considered their anxiety disturbed their performance, 10% presented suicidal ideation, 64% significant insomnia with 6.4 average sleep hours. Alcohol (93%), tobacco (32%), marijuana (27%) and hypnotics/ sedatives (17%) were the most used substances in the last 3 months. Not having a religion was statistically significant (Spearman p<0,05) as well as utilizing psychoactive substances. We identified that who has moderate to high anxiety has memory complaint (Fisher: p=0,0432). Discussion: The factor that presented statistic relevance to a worsening in the memory complaint among academic young people was the anxiety, which seems to be negative in the cognitive processes of memorizing capacity. None of the young people investigated had real deficit in their academic performance. Different from the elderly´s cognitive problems, the young people´s cognitive complaint is relative, related to a subjective perception and depending on the anxiety degree they are presenting. Conclusion: Anxiety demonstrated to be related to memory complaint in young people. Stimulants, medicine that admittedly enhance anxiety are contraindicated. It is possible to affirm that the prescribing of some anti-depressives, benzodiazepines in anxiolytic doses or another non-pharmacological measures such as the practice of mindfulness are the most adequate measures in these situations
URI: https://app.uff.br/riuff/handle/1/3778
Appears in Collections:PPGFF - Teses e Dissertações

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
Dissertação de Mestrado - Thiago Coronato Nunes.pdf1.64 MBAdobe PDFView/Open


This item is licensed under a Creative Commons License Creative Commons