Please use this identifier to cite or link to this item: https://app.uff.br/riuff/handle/1/3998
Title: Grupos educativos em saúde nas unidades básicas de saúde: concepções de quem faz
Authors: Matias, Priscila da Silva
metadata.dc.contributor.advisor: Silva, Ana Lúcia Abrahão da
metadata.dc.contributor.members: Lima, Josiane Vivian Camargo de
Daher, Donizete Vago
Issue Date: 2017
Publisher: Universidade Federal Fluminense
Citation: Matias, Priscila da Silva. Grupos educativos em saúde nas unidades básicas de saúde: concepções de quem faz. 2017. 112 f. Dissertação (Mestrado Acadêmico em Ciências do Cuidado em Saúde) - Escola de Enfermagem Aurora de Afonso Costa, Niterói, 2017
Abstract: Este estudo contribui para o Projeto de pesquisa do Ministério da Saúde: Observatório Nacional da Produção de Cuidado em diferentes modalidades à luz do processo de implantação das Redes Temáticas de Atenção à Saúde no Sistema Único de Saúde: Avalia quem pede, quem faz e quem usa (RAC). Possui como tema os grupos de educação em saúde nas unidades de Estratégia Saúde da Família. Objetivo geral: analisar os diversos processos de constituição de grupalidade nos grupos de educação em saúde em unidades básicas. Objetivos específicos: Identificar as ferramentas empregadas na constituição de grupos de educação em saúde e relatar o manejo das estratégias de grupalidade presentes nos grupos estudados. Foi utilizado Referencial conceitual fundamentado em autores da área da psicologia. Caminho metodológico: abordagem qualitativa, do tipo descritivo, que se deu por meio da Pesquisa – Interferência e outros referenciais, me valendo também do movimento cartográfico. Coleta de dados: observação participante, construção do Diário de Campo e narrativas de três grupos de educação em saúde numa unidade básica no bairro da Rocinha/RJ. Resultados e discussão: Usuários e profissionais identificam os grupos como instrumento fundamental de prática coletiva. Dentre alguns recolhimentos que deixaram impressão, destaco: o local para realização dos grupos; o grupo como local de criação da rede viva; grupo como local de experimentação de novas formas de viver; o uso de tecnologias; o modo como os diálogos são tecidos e como o pertencimento se faz. Considerações finais: Podemos afirmar que os elementos que compõem a grupalidade são combustível para se promover a vida, devido aos dispositivos empregados na construção de processos de pertencimento. O grupo como aposta do cuidado na Atenção Básica aparece como instrumento a ser mais bem entendido e explorado, pois se apresenta como um dispositivo disparador do cuidado na rede e para o cuidado de si
metadata.dc.description.abstractother: This study contributes to the Research Project of the Ministry of Health: National Observatory of Care Production in different approaches in the view of the implementation process of the Thematic Networks of Health Care in the Unified Federal Health System: “Evaluates who asks, who does and who uses” (RAC). It has as its theme the health education groups in the Family Health Strategy units. The general objective is to analyze the diverse processes of constitution of grouping in the health education groups in basic units. As specific objectives the Identification of the tools used in the constitution of health education groups and report the management of group strategies present in the groups studied. The methodology employed occurred in two ways: an exploratory - bringing evidence of studies on the proposed theme and a descriptive - using Research Interference and the cartographic movement. This second obtained as a scenario a basic health unit in the city of Rio de Janeiro. The data was collected through observation of participants, construction of a field diary and narratives of three groups of health education in a basic unit in the neighborhood of Rocinha, in Rio de Janeiro city. As results, it could be pointed that health care users and professionals identified groups as a fundamental instrument of collective practice. Among some collections that left impression – “what is in the skin”, the place where the groups are formed is emphasized by the author. the group as the place of creation of the living network and experiment with new ways of living; the use of light technologies and the rationality of praxis; the way the dialogues are woven and how becoming a part of the group is done. Such impressions are those that promote the grouping. We can affirm that the elements that make up the grouping are the fuel to promote life due to the devices employed in the construction of processes of belonging. The group as a resource of care in Primary Care appears as an instrument to be better understood and explored as it presents itself as a trigger device for care in the network and for care of itself
URI: https://app.uff.br/riuff/handle/1/3998
Appears in Collections:PACCS - Teses e Dissertações

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
Priscila da Silva Matias.pdf1.39 MBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.