Please use this identifier to cite or link to this item: https://app.uff.br/riuff/handle/1/4312
Title: Reconhecimento de padrões de ingestão de vitamina k em pacientes ambulatoriais portadores de fibrilação atrial e seu impacto sobre a anticoagulação por varfarina: contribuições à consulta de enfermagem
Authors: Vidigal, Paula Dias
metadata.dc.contributor.advisor: Lima, Dalmo Valério Machado de
metadata.dc.contributor.members: Lima, Dalmo Valério Machado de
Bosa, Maria Cecília Pereira
Queluci, Gisella de Carvalho
Issue Date: 2013
Publisher: Universidade Federal Fluminense
Citation: Vidigal, Paula Dias. Reconhecimento de padrões de ingestão de vitamina k em pacientes ambulatoriais portadores de fibrilação atrial e seu impacto sobre a anticoagulação por varfarina: contribuições à consulta de enfermagem. 2013. 92 f. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Enfermagem) - Escola de Enfermagem Aurora de Afonso Costa, Universidade Federal Fluminense, 2013.
Abstract: Objetivo geral: Verificar a relação entre a estimativa da ingesta de vitamina K e a Razão Normatizada Internacional (INR) da coagulação de pacientes ambulatoriais portadores de fibrilação atrial (FA) em uso de varfarina. Objetivos específicos: Correlacionar a ingesta estimada de vitamina K a partir da alimentação por livre demanda com o INR de pacientes portadores de FA em uso de varfarina; Comparar os valores de INR dos diferentes estratos de estimativa de ingesta de vitamina K; Identificar a chance de desenvolver sangramento ou evento tromboembólico entre os grupos; Estabelecer um catálogo com recomendações alimentares para a manutenção do INR terapêutico desses pacientes. Metodologia: Estudo causal-comparativo com pacientes com FA em uso de varfarina, acompanhados por seis meses. A coleta de dados foi através de inquérito recordatório de consumo alimentar e de base de dados com registro da dose de varfarina utilizada e valor do INR na consulta. Os dados foram submetidos às análises estatísticas: Correlação de Pearson, Teste T-Student, Análise de Variância, Teste de Tuckey e Risco Relativo. Resultados: Não houve correlação negativa entre o INR e a ingesta estimada de vitamina K, conforme era esperado. Verificou-se que pacientes com INR estável tinham um consumo médio de vitamina K menor (p=0,008) e estes variavam menos o consumo do que os pacientes com padrão de ingestão de vitamina K alto (p=0,008). Porém, ao comparar a variabilidade da ingesta de vitamina K com a estabilidade do INR, não foram encontradas diferenças significativas (p=0,188). Acredita-se, portanto, que a variabilidade do consumo de vitamina K em três ou quatro dias não é determinante para alterar a terapia anticoagulante oral, tanto em relação ao INR quanto em relação a dosagem de varfarina utilizada. O fator mais importante para manter a estabilidade da terapia é o consumo baixo de vitamina K que, em geral, não precisa ser restritiva mas também pode estar associada a pequenas alterações de consumo. Entretanto, o consumo de vitamina K em quantidades constantes foi um fator de proteção importante para evitar sangramentos menores na amostra. Os sujeitos do sexo masculino e idosos apresentaram consumo de vitamina K mais instável (p=0,068), INR instável (p=0,023) e anticoagulação em excesso (p=0,001). Conclusão: Sugere-se que os pacientes sejam orientados a consumir pequenas quantidades de vitamina k diariamente, não ultrapassando 40,0μg/dia. Através dos resultados obtidos, acredita-se que seja possível realizar orientações sobre a alimentação na consulta de enfermagem embasada em evidências científicas, buscando melhorar a estabilidade do INR e diminuir o risco de sangramento ou trombose.
URI: https://app.uff.br/riuff/handle/1/4312
Appears in Collections:EEAAC - Trabalhos de Conclusão de Curso - Niterói

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
TCC Paula Dias Vidigal.pdf1.38 MBAdobe PDFView/Open


This item is licensed under a Creative Commons License Creative Commons