Please use this identifier to cite or link to this item: https://app.uff.br/riuff/handle/1/4461
Title: Adolescência e infecção pelo HIV: demanda, perfil sexual e positividade em um centro de testagem e aconselhamento da Baixada Fluminense - RJ
Authors: Giesteira, Alessandra Januário
Keywords: HIV;  Diagnóstico;  Adolescentes;  AIDS;  Infecção por HIV
Issue Date: 12-Sep-2017
Abstract: Introdução: Na adolescência, com as primeiras experiências sexuais, podem ocorrer Doenças Sexualmente Transmissíveis (DST), como a infecção pelo HIV. Assim, sua investigação por meio de testes rápidos tem ocorrido em Centros de Testagem e Aconselhamento (CTA), com o diagnóstico precoce da infecção e abordagem multiprofissional. Objetivo: Comparar os dados entre anos de 2003 e 2013 dos adolescentes atendidos em um CTA em Nova Iguaçu – Rio de Janeiro quanto à procura por testagem (demanda), alguns aspectos sócio-demográficos e de práticas sexuais, e a positividade de testes sorológicos anti-HIV. Métodos: Estudo retrospectivo, do tipo comparativo e analítico. Os dados foram obtidos através da consulta aos arquivos de formulários de atendimento de um CTA nos anos de 2003 e 2013. Resultados: Em 2003, de 3.170 clientes, 558 (17,59%) adolescentes (média de idade de 17,08 anos, DP: 1,64) realizaram a testagem. Desse total, 423 (75,81%) possuíam 7 anos de educação escolar ou menos, 518 (92,83%) não relataram ter apresentado DST nos 12 meses que antecediam a realização do teste, 226 (40,50%) relataram nunca usar preservativo e 267 (47,86%) usar às vezes. E, ainda do total de adolescentes testados, 14 (2,51%) tiveram sorologia positiva confirmada, sendo que desses, 13 (92,86%) possuíam 7 anos ou menos de educação escolar, e 7 (50%) relataram nunca usar preservativo e 5 (36,71%) usavam às vezes. Em 2013, foram assistidos 1.656 indivíduos, com 110 (6,64%) adolescentes (média 18,3 anos, DP: 17,02) que realizaram o teste anti-HIV e, desses, 62 (56,37%) possuíam de 8 a 11 anos de educação escolar completa, 80 (72,73%) apresentaram DST nos 12 meses que antecederam a realização do teste, 33 (30%) relataram nunca usar preservativo e 18 (16,36%) usar às vezes. Neste ano, 7 (6,36%) adolescentes tiveram seus diagnósticos confirmados para a infecção pelo HIV. E, desses, 5 (71,43%) possuíam de 8 a 11 anos de educação escolar completa, 5 (71,43%) relataram DST nos 12 meses anteriores ao teste, 2 (28,57%) descreveram nunca usar preservativo e 2 (28,57%) às vezes. Conclusão: Podemos constatar que ocorreu uma redução de, aproximadamente, 3 para 1 no atendimento das mulheres que necessitavam realizar o teste durante o período do pré-natal. A descentralização da testagem anti-HIV também parece ter influenciado na redução do atendimento de adolescentes no cenário estudado, embora o número de adolescentes infectados pelo HIV tenha sido reduzido em 2013, foi possível observar que a porcentagem de infectados praticamente triplicou (de 2,51% em 2003 para 6,78% em 2013).
URI: https://app.uff.br/riuff/handle/1/4461
Appears in Collections:PPGSC - Teses e Dissertações

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
Dissertação - Alessandra Januário Giesteira.pdf1.3 MBAdobe PDFView/Open


This item is licensed under a Creative Commons License Creative Commons