Please use this identifier to cite or link to this item: https://app.uff.br/riuff/handle/1/4550
Title: Associação entre recaída do tabagismo e transtorno de estresse pós-traumático em adultos adscritos ao programa médico de família de Niterói-RJ, Brasil a partir do estudo Camelia
Authors: Fortes, Julciney Trindade
metadata.dc.contributor.advisor: Giordani, Fabíola
metadata.dc.contributor.advisorco: Rosa, Maria Luiza Garcia
metadata.dc.contributor.members: Santos, Alair Augusto Sarmet Moreira Damas dos
Pagnin, Valéria de Queiroz
Berger, William
Issue Date: 2016
Abstract: Introdução: Apesar do Transtorno de estresse pós-traumático (TEPT) e do tabagismo serem prevalentes, não há estudos no Brasil sobre a associação entre recaída, cessação do tabagismo e TEPT em comunidades de baixa renda. Objetivos: Avaliar a frequência de recaída na tentativa de abandonar o hábito de fumar em indivíduos com e sem TEPT, bem como analisar os fatores a ela associada. Métodos: Estudo transversal de adultos vinculados ao PMF (Programa Médico de Família) selecionados entre julho de 2006 a dezembro de 2007 conduzido a partir do Estudo CAMELIA (cardio-neuro-metabólico-renal familiar em Niterói). As associações foram estimadas através do modelo de Equações de Estimação Generalizadas. Resultados: O estudo foi representado por uma população de 320 indivíduos que já fumaram pelo menos 100 cigarros em suas vidas, dos quais 20% nunca tentaram parar de fumar, 52,2% eram ex-fumantes e 27,8% eram recidivantes. A prevalência de TEPT foi de 23,8% e dos três grupos de sintomas do TEPT (revivescência, evitação e hiperestimulação) foi de 22,2%, 25% e 20,6% respectivamente. Cor da pele (parda), frequência de consumo de álcool (nunca) e a pontuação PCL-C geral e grupo de sintomas (maior que o percentil 75) mostraram associação univariada estatisticamente significativa (p ≤0,15) com recaída de tabagismo. Sexo (mulheres), cor da pele (branca), IMC (< 25) e depressão (escore BDI > 19) apresentaram associação univariada (p ≤0,15) com TEPT (maior que percentil 75 na pontuação PCL-C geral e grupos de sintomas). As associações entre recaída e PCL-C geral, revivescência e hiperestimulação foram semelhantes para ambos, homem e mulher, cor de pele preta e não preta, e até 5 anos de estudo e 5 ou mais anos de estudo, indicando que não há interação. Para o grupo da evitação, as diferenças foram maiores, apontando para a existência de uma interação para sexo, cor da pele e escolaridade. Nos modelos estatísticos múltiplos testados apenas a recaída e a depressão foram fatores associados de forma significativa ao TEPT. Conclusão: A associação entre a recaída e o TEPT foi confirmada nesta investigação.
metadata.dc.description.abstractother: Introduction: Although posttraumatic stress disorder (PTSD) and smoking are prevalent, there are no studies in Brazil on the association between relapse, smoking cessation and PTSD in low-income communities. Objectives: To evaluate the frequency of relapse in the attempt to quit smoking in individuals with and without PTSD, as well as to analyze the factors associated with it. METHODS: Cross-sectional study of adults enrolled in the Family Medical Program selected from July 2006 to December 2007, conducted from the CAMELIA Study (cardio-neuro-metabolic-renal family in Niterói). The associations were estimated using the Generalized Estimation Equation model. Results: The study was represented by a population of 320 individuals who had smoked at least 100 cigarettes in their lives, of whom 20% never tried to quit smoking, 52.2% were ex-smokers and 27.8% were relapsed. The prevalence of PTSD was 23.8% and of the three symptom clusters (re-experiencing, avoidance and hyperarousal) were 22.2%, 25% and 20.6%, respectively. Skin color (brown), frequency of alcohol consumption (never) and overall PCL-C score and symptom clusters (greater than the 75th percentile) showed a statistically significant univariate association (p ≤0.15) with smoking relapse. Gender (women), skin color (white), BMI (<25) and depression (BDI score> 19) had a univariate association (p ≤0.15) with PTSD (greater than 75th percentile in the general PCL-C score and symptom clusters). The associations between relapse and general PCL-C, re-experiencing and hyperarousal were similar for both male and female, skin color black and not black, and up to 5 years of study and 5 or more years of study, indicating that there was no interaction. For the avoidance group, the differences were greater, pointing to the existence of an interaction for sex, skin color and schooling. In multiple, fully-tested models, only relapse and depression were significantly associated with PTSD. Conclusion: The association between relapse and PTSD was confirmed in this investigation.
URI: https://app.uff.br/riuff/handle/1/4550
Appears in Collections:PPGCM - Teses e Dissertações

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
Dissertacao_Julciney 100117 Juntada (1).pdf3.32 MBAdobe PDFView/Open


This item is licensed under a Creative Commons License Creative Commons