Please use this identifier to cite or link to this item: https://app.uff.br/riuff/handle/1/4708
Title: Análise comparativa dos níveis séricos de creatinina entre brancos, pardos e negros de uma população brasileira
Authors: Barcellos, Roberto Carlos de Brito
metadata.dc.contributor.advisor: Matos, Jorge Paulo Strogoff de
metadata.dc.contributor.advisorco: Lugon, Jocemir Ronaldo
metadata.dc.contributor.members: Almeida, Jorge Reis
Lima, Maurilo de Nazaré de
Graciano, Miguel Luis
Santos, Sérgio Fernando Ferreira dos
Cruz Filho, Rubens Antunes da
Issue Date: 2014
Abstract: Introdução: Na população norte-americana, os níveis séricos de creatinina em negros são habitualmente maiores do que na população branca, pois estes possuem reconhecidamente maior massa muscular. Esta diferença justificou a partir do ano de 2006, o emprego nos Estados Unidos da América de um ajuste pela raça quando se utiliza as fórmulas para a estimativa das taxas de filtração glomerular (TFG). Questionamos se este ajuste pode ser empregado na população brasileira cuja origem e miscigenação são bastante diferentes da população norte-americana, sem a criação de um viés. Objetivo: O objetivo principal do presente estudo foi de avaliar e comparar os níveis séricos de creatinina em brancos, pardos e negros em uma amostra da população brasileira discutindo a necessidade do uso ajuste pela raça nas fórmulas que empregam a creatinina nesta população. Material e métodos: Os resultados foram extraídos de um estudo de população oriundo do Programa Médico de Família de Niterói (PMF), RJ. A análise da creatinina foi feita pelo método de Jaffé. Compararam-se os níveis séricos de creatinina entre brancos, pardos e negros classificados segundo critérios do IBGE. Posteriormente, foram estimadas as TFGs empregando-se a fórmula Chronic Kidney Disease Epidemiology Collaboration (CKD-EPI) com e sem ajuste pela raça. Resultados: Um total de 712 participantes (54,7% do sexo feminino) tiveram seus níveis séricos de creatinina analisados. A média de idade da população foi de 43 ± 12 anos. Trinta por cento eram brancos, 43 % pardos e 27% negros. A média da creatinina nos homens foi maior que a das mulheres (0,99 ± 0,23 mg/dl vs. 0,77 ± 0,17 mg/dl, p<0.001). Entretanto, não foram identificadas diferenças significativas nos níveis séricos de creatinina entre brancos (0,86 ± 22 mg/dl), pardos (0,87 ± 22 mg/dl) e negros (0,88 ± 25 mg/dl). Os níveis séricos de creatinina em mulheres brancas, pardas e negras foram respectivamente 0,76 ± 0,15 mg/dl, 0,77 ± 0,17 mg/dl e 0,79 ± 0,17 mg/dl. Os valores correspondentes para homens foram respectivamente 1,00 ± 0,23 mg/dl, 0,98 ± 0,19 mg/dl e 1,01 ± 0,30 mg/dl. Ao se utilizar a fórmula da CKD-EPI sem ajuste pela raça, não houve diferença significativa entre brancos, pardos e negros. Entretanto, se o ajuste pela raça tivesse sido aplicado, os valores da TFG teriam sido significativamente maiores (p< 0,001) resultando em um erro. Conclusão: Não houve diferença significativa nos níveis de creatinina sérica entre brancos, pardos e negros na população estudada. O emprego do ajuste pelo fator raça na população brasileira poderia trazer um viés no cálculo da TFG, superestimando os valores para pardos e negros
metadata.dc.description.abstractother: Background: Serum creatinine levels are usually higher among black people in the United States due to increased muscle mass justifying the addition of race adjustment in creatinine-based equations to estimate glomerular filtration rate (GFR). We speculate if this adjustment would create a bias when used in the Brazilian population whose origin and racial admixture is quite different from the American people. Objective: The aim of the present study was to assess if serum creatinine levels are different between white, brown (mixed-race background) and black people in a Brazilian population. Methods: Data were extracted from a community-based health program in Brazil. We compared serum creatinine levels in self-defined white, black and brown adults. Additionally, we also estimated GFR using the Chronic Kidney Disease Epidemiology Collaboration (CKD-EPI) equation, with and without race adjustment. Results: A total of 712 participants (54.7% females, 43 ± 12 years old) were enrolled. Thirty percent of the subjects were white, 43% brown and 27% black. As expected, males had serum creatinine higher than females (0.99 ± 0.23 mg/dl vs. 0.77 ± 0.17 mg/dl, p<0.001). However, no significant differences were found between whites (0,86 ± 22 mg/dl), brown (0,87 ± 22 mg/dl) and blacks (0,88 ± 25 mg/dl). Serum creatinine levels for white, brown and black females were 0.76 ± 0.15 mg/dl, 0.77 ± 0.17 mg/dl and 0.79 ± 0.17 mg/dl, respectively. Correspondent values for males were 1.00 ± 0.23 mg/dl, 0.98 ± 0.19 mg/dl and 1.01 ± 0.30 mg/dl, respectively. When using the CKD-EPI equation without race adjustment, the eGFR was not different between white, brown and black subjects. However, if race-adjustment were adopted, estimated GFR values for Blacks would be significantly higher than for Whites (p<0.001). Conclusion: No significant differences in serum creatinine levels were found between white, brown and black people in this sample of a Brazilian population. It raises the question if the race-adjustment in creatinine-based equations for GFR estimation in our population would be appropriated
URI: https://app.uff.br/riuff/handle/1/4708
Appears in Collections:PPGCM - Teses e Dissertações

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
dissertação roberto barcellos.pdf923.62 kBAdobe PDFView/Open


This item is licensed under a Creative Commons License Creative Commons