Please use this identifier to cite or link to this item: https://app.uff.br/riuff/handle/1/5153
Title: Análise microscópica de enxerto de túnica albugínea aplicado no reforço de parede abdominal em cães (Canis familiaris)
Authors: Magliano, D'Angelo Carlo
metadata.dc.contributor.advisor: Nunes, Viviane Alexandre
metadata.dc.contributor.members: Lancetta, Carla Ferreira Farias
Silva, Simone Florim da
Issue Date: 2010
Publisher: Universidade Federal Fluminense
Citation: Magliano, D'Angelo Carlo. Análise microscópica de enxerto de túnica albugínea aplicado no reforço de parede abdominal em cães (Canis familiaris). 2010. 56f. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Biomedicina)-Instituto Biomédico, Universidade Federal Fluminense, 2010.
Abstract: Os defeitos de parede abdominal são frequentes na clínica cirúrgica e diversos biomateriais vêm sendo utilizados para reparos ou para o reforço de tecidos traumatizados ou desvitalizados. As laparorrafias utilizam os enxertos e as herniorrafias abdominais, as telas cirúrgicas. Infelizmente, existem algumas desvantagens no uso destes materiais, devido a pouca elasticidade, já que quando o indivíduo cresce, os mesmos não acompanham o seu crescimento, além de promoverem uma grande reação inflamatória, devendo ser retirado assim que o tecido cicatrizar. O objetivo deste trabalho foi demonstrar o comportamento histológico da túnica albugínea como material de enxertia em reparos de parede abdominal em cães, através da avaliação da reação tecidual e do processo cicatricial. O experimento foi realizado segundo as normas do Colégio Brasileiro de Experimentação Animal e aprovado pelo Comitê de Ética para o Uso de Animais de Laboratório em Pesquisa, Ensino e Extensão (CEPAL) da UFRJ. Foram submetidos ao experimento, 12 cães, machos, sem raça definida (SRD), 15 Kg, não-castrados e adultos distribuídos aleatoriamente em três grupos: controle (C), simulação (S) e teste (T). Nos grupos S e T foram realizadas orquiectomia e celiotomia longitudinal mediana retro-umbilical de cinco centímetros seguida de laparorrafia utilizando Polipropileno 3-0, sendo que no grupo T realizou-se a aplicação da túnica albugínea para reforço da parede. Os animais foram reoperados aos 7, 35 e 60 dias pós-operatórios, para a retirada de fragmento da ferida cirúrgica de aproximadamente 5 centímetros, sendo o mesmo fixado em formol a 10% para realização da histologia. Após o processamento histológico de rotina, foram realizadas colorações para identificação do tecido conjuntivo fibroso através da Hematoxilina-Eosina e Tricrômico de Gomori. A análise microscópica foi realizada utilizando microscópio de luz nas lentes de 10, 20 e 40x. Na avaliação histológica da túnica albugínea do grupo controle, nas colorações realizadas, observou-se as características normais das estruturas, com localização da região interna e externa da túnica além de sua túnica vasculosa. Na avaliação dos fragmentos extraídos da parede abdominal com sete dias de pós-operatório no grupo simulação não foram observados muitos focos de polimorfonucleares e nem presença de muitos vasos sanguíneos. Já no grupo teste, havia muitos polimorfonucleares e grande quantidade de vasos. Na avaliação histológica do material com 35 dias do grupo simulação, não foram localizados muitos vasos sanguíneos no tecido conjuntivo de aspecto normal e não havia mais polimorfonucleares, enquanto no grupo teste o tecido apresentou uma intensa proliferação de fibroblastos e uma grande vascularização. Na avaliação histológica do grupo 60 dias, tanto do grupo simulação, quanto do grupo teste, observamos características de fim do processo cicatricial. Desta forma, conclui-se que a túnica albugínea autóloga é um biomaterial de fácil obtenção e aplicação na medicina veterinária, servindo como suporte ou oferecendo sua própria constituição para o desenvolvimento do processo cicatricial, sendo eficiente no reparo de parede abdominal em cães.
metadata.dc.description.abstractother: Defects in the abdominal wall are frequent in surgeries and biomaterials are being used to fix or strengthen traumatized or devitalizeds tissues. Laparorrafy use grafts and herniorrafy use surgical screens. Unfortunately, there are a few disadvantages in the use of those materials, due to the lack of elasticity, since the person grows up and they don’t, and they cause a big inflammatory reaction. So, it must be removed as soon as the tissue heals. The aim of this work was to demonstrate the histological behavior of the tunica albuginea as a graft in repairs in the abdominal wall of dogs, through the evaluation of tissue reactions and healing processes. The experiment was done according to the standards of the Brazilian College of Animal Trials and by the ethics committee for the use of lab animals in research, teaching and extension (CEPAL) of the Federal University of Rio de Janeiro (UFRJ). Twelve adult male dogs, without defined breed (WDB), weighting 15 kg and without castration were submitted to the experiment. They were randomly distributed in three groups: control (C), simulation (S) and test (T). Orquiectomy and a retroumbilical medium celiotomy with a five centimeter incision length followed by laparorrafy using Polypropylene 3-0 were performed in the S and T groups. The tunica albuginea was applied in the T group to strengthen the wall. The animals were reoperated in the 7, 35 and 60 following days of the post surgical period, to remove the fragment of the surgical wound of approximately 5 centimeters. This fragment was fixed in 10% formaldehyde to analyze the histological characteristics. After the routine histological processing, they were stained to identify the fibrous connective tissue through Hematoxylin and Eosin and Gomori Trichrome. The microscopical analysis was done using light microscope in 10, 20 and 40 lenses. In the histological evaluation of the control group’s tunica albuginea there were observed normal structural characteristics localized in the inner and outer region of the tunica, beyond its vasculous tunica. There wasn’t observed many polimorfonucleares focus, neither the presence of many blood vessels in the evaluation of the fragments extracted from the abdominal wall within seven days of the post-operational period in the simulation group. But in the test group, there were many polimorfonucleares and many blood vessels. In the histological evaluation of the simulation group’s material within 35 days, there weren’t been found many blood vessels in the connective tissue of normal aspect, and there weren’t many polimorfonucleares, while on the test group, the tissue presented intense proliferation of fibroblasts and great vascularity. In the histological evaluation within 60 days, there were observed characteristics of the end of healing process. Thus, we conclude that autologous tunica albuginea is a biomaterial that is easy to obtain and easy to apply in Veterinarian Medicine, serving as support or offering its own constitution to the development of the healing process, being effective in the repair of the abdominal wall in dogs.
URI: https://app.uff.br/riuff/handle/1/5153
Appears in Collections:MGB - Trabalhos de Conclusão de Curso

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
D'Angelo Carlo Magliano 2010.21 TCC.pdf10.88 MBAdobe PDFView/Open


This item is licensed under a Creative Commons License Creative Commons