Please use this identifier to cite or link to this item: https://app.uff.br/riuff/handle/1/5207
Title: Medicina de família e comunidade: emergência e crítica de uma formação discursiva
Authors: Andrade, Henrique Sater de
metadata.dc.contributor.advisor: Silva Júnior, Aluísio Gomes da
metadata.dc.contributor.advisorco: Carvalho, Sérgio Resende
metadata.dc.contributor.members: Alves, Márcia Guimarães de Mello
Campos, Gastão Wagner de Souza
Favoreto, Cesar Augusto Orazem
Alexandre, Gisele Caldas
Issue Date: 2017
Abstract: Buscamos realizar nesta pesquisa uma análise sobre a formação discursiva da Medicina de Família e Comunidade (MFC). Tal reflexão foi feita a partir de uma revisão histórica de sua emergência, da análise do discurso de distintos atores que vem influenciando essa formação e de um debate crítico com os horizontes de suas práticas clínicas. Incluem-se nesse debate o modelo biopsicossocial de adoecimento e o uso do conceito de risco, as ferramentas clínicas deles derivadas, a problemática da medicalização social e dos efeitos biopolíticos da prática médica familiar e comunitária. Foram também analisadas diferentes perspectivas sobre a dinâmica histórica do direito à saúde, do progresso e da modernização na formação social brasileira. Pudemos identificar que a formação discursiva da MFC está atravessada a) pela história da prática médica familiar e comunitária especialmente a partir do século XVIII; b) pela constituição dos serviços primários em saúde e da Atenção Primária em Saúde no século XX e c) pelos programas de Medicina Comunitária e pela formação da Saúde Coletiva no Brasil. Além disso, encontra-se atrelada ao campo científico e político da medicina generalista e familiar internacional e a sua afirmação como especialidade médica. A partir dos diferentes discursos analisados, observamos a MFC não como um campo homogêneo, delimitado e com uma histórica única. Podemos também afirmar que a MFC vem constituindo-se como um campo discursivo próprio e com projetos políticos heterogêneos para a organização dos serviços de saúde no país. Em suma, para observarmos os sentidos éticos e políticos da prática médica familiar e comunitária, é necessário ampliar o escopo da análise para além do uso de suas ferramentas clínicas e científicas, inserindo nele compreensões que tragam à tona a história da produção de nós mesmos, das lutas políticas pelo direito à saúde e por formas alternativas de pensar e experienciar a vida
metadata.dc.description.abstractother: We have aimed to make an analysis about the discursive formation of Family and Community Medicine (MFC). This research was made from a historical revision about its emergence, the discourse analysis of actors that have been influencing this formation and a critical debate about the horizons of its clinical practices. We include in this debate the biopsychosocial model of illness, the use of the concept of risk, the clinical tools derived from this model and this concept, the social medicalization problematic and the biopolitical effects of family and community practice. We have included different perspectives about the historical dynamics of the right to health, the progress and the modernization in Brasil social formation. We could identify that the discursive formation of MFC is crossed by: a) the history of Family and community practice specially from the 18th century; b) the constitution of primary services and Primary Health Care from the 20th century and c) by the programs of Community Medicine and Collective Health in Brasil. Besides, the formation is attached to the scientific and political field of the international generalist and family medicine. From the speeches analyzed, we have observed MFC not as a homogenous and delimited field with a unique history. We can affirm that MFC has been forming itself as a specific discursive field with heterogeneous political projects to the health services organizations in our country. Finally, in order to observe the ethical and political directions of Family and community practice, it is necessary to amplify the scope of the analysis beyond the use of clinical and scientific tools. Therefore, we have to include formulations that bring up the history of the production of ourselves, the political struggles for the right to health and for alternatives forms of thinking and experiencing life
URI: https://app.uff.br/riuff/handle/1/5207
Appears in Collections:PPGSC - Teses e Dissertações

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
DISSERTAÇAO HENRIQUE ANDRADE.pdf883.56 kBAdobe PDFView/Open


This item is licensed under a Creative Commons License Creative Commons