Please use this identifier to cite or link to this item: https://app.uff.br/riuff/handle/1/5776
Title: LOMAN: Um legado autoritário civil-militar do regime militar
Other Titles: LOMAN (Organic Law of The National Judiciary): a civil-military authoritarian legacy of the military regime
Authors: Melo Filho, Hugo Cavalcanti
Zaverucha, Jorge
Issue Date: 2016
Publisher: Universidade Federal de Minas Gerais
Citation: MELO FILHO, H. C.; ZAVERUCHA, J.. LOMAN: Um legado autoritário civil-militar do regime militar. Teoria e Sociedade, v. 24.1, p. 110-124, 2016.
metadata.dc.relation.ispartof: Teoria e Sociedade. Belo Horizonte: Revista dos Departamentos de Antropologia e Arqueologia, Ciência Política e Sociologia da Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas da Universidade Federal de Minas Gerais, UFMG, 2016
Abstract: O fim do regime militar no Brasil (1985) não teve o condão de destruir todos os legados autoritários. Um destes legados é a Lei Orgân¬ica da Magistratura Nacional – Loman, que vige desde 1979. Trata-se de um legado autoritário civil-militar tais regras, disposições, relacionamentos e memórias originados em um passado de experiências autoritárias, criados ou aperfeiçoados durante o regime militar por interessar tanto ao governo e/ou às Forças Armadas como instituição quanto às entidades de natureza civil. Sobreviveu à extinção do governo autoritário, afetando a qualidade da democracia. Mas não houve, até agora, empenho nem do Supremo Tribunal Federal nem do Congresso Nacional em alterar essa lei, e não existem sinais de que esta situação venha a ser modificada a curto ou médio prazo. Há, portanto, um ponto de equilíbrio, cuja estabilidade vem se mantendo por quase 37 anos. Este equilíbrio dificilmente será rompido por razões endógenas ao atual sistema político. Uma mudança exógena poderá criar os incentivos necessários para que, pelo menos, um dos atores políticos abandone sua atual posição, deslocando o ponto de equilíbrio existente. Aos atores políticos civis relevantes, não interessa a alteração das regras hoje prevalecentes. Seja por se encontrarem em uma zona de conforto, seja pela aversão ao risco dos resultados que uma reforma democratizante poderia gerar.
URI: https://app.uff.br/riuff/handle/1/5776
Appears in Collections:NEPEAC - Artigos

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
269-493-1-PB.pdf218.25 kBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.