Please use this identifier to cite or link to this item: https://app.uff.br/riuff/handle/1/5886
Title: Mudanças paleoclimáticas e acumulação de carbono no Lago Airo – Alto Rio Negro
Authors: Contrera, Julia Maria de Aguiar Duarte
metadata.dc.contributor.advisor: Moreira, Luciane Silva
metadata.dc.contributor.advisorco: Turcq, Patrícia Moreira Florio
metadata.dc.contributor.members: Gomes, Olga Venimar de Oliveira
Stríkis, Nicolas Misailidis
Issue Date: 1-Mar-2018
Abstract: A Bacia Amazônica é um importante agente de influência das mudanças climáticas, podendo atuar tanto como sumidouro quanto como emissor de CO2 para a atmosfera. Existem diversos estudos sobre a atuação de sistemas Amazônicos na ciclagem de carbono. Entretanto estudos relacionados à atuação de planícies alagadas amazônicas a cerca do acúmulo de carbono ainda são muito escassos. Nesse contexto o presente trabalho tem como objetivo avaliar as mudanças paleohidrológica, paleoclimáticas que ocorreram no Lago Airo durante os últimos 13 mil anos e como essas mudanças afetaram o acúmulo de carbono em um sistema lacustre localizado na Sub-bacia do Rio Negro. Nesta área de estudo foi coletado um testemunho denominado AIRO12/01, com 1,46 cm de comprimento que apresentou ao longo dos últimos 13300 anos cal AP três fases distintas de sedimentação. Durante o período entre 13300 anos cal AP a 11700 anos cal AP o lago constituía um canal do Rio Negro, durante esse período foi observada a ocorrência de um clima úmido na região evidenciada pela granulometria arenosa (Argila: 0,2%, Silte, 0,1% Areia: 99,63%) que indicou forte influência fluvial. Em 13300 anos cal AP foi observado um evento de sedimentação abrupta que pode ser consequência de fortes chuvas ou pelo aumento da vazão do Rio Negro. Os baixos valores de pigmentos sedimentares (média de 2,9 SPDU) indicaram baixa produtividade lacustre que ocorre devido a forte influência fluvial. Os valores de δ13C indicaram uma maior contribuição de plantas terrestres na constituição da matéria orgânica lacustre. A forte influencia do Rio Negro sobre o lago neste período também foi registrada através de altos valores de C/N (valor médio de 49,4, como reflexo da influência de ácidos húmicos característico deste sistema fluvial) e valores de 15N próximos a zero (representativo de forte entrada de material terrestre). Devido a forte influência que o Rio exercia sobre o lago os valores de COT encontrados eram baixos (média de 1,37%). O período entre 11700 e 3000 anos cal AP foi marcado por evidencias de clima mais seco, com um aumento da concentração de micropartículas de carvão com media de 104 μm² e evidência de atividade eólica observada a partir de analise estatística. Contudo foram observados valores mais elevados de pigmentos sedimentares (média de 8,72 SPDU) e uma leve elevação dos valores de COT (média de 2,90%) que sugerem um período de semi-isolamento do Rio. A granulometria nesse período continua arenosa, mas com uma pequena variação na proporção de seus constituintes (Argila: 1,57%; Silte: 5,18%, Areia:93,24%) . Durante os últimos 3000 anos cal AP é possível observar condições climáticas mais úmidas neste registro sedimentar, evidenciadas pelo aumento da concentração de pigmentos sedimentares (média de 13 SPDU) e do COT (média de 34%). A análise granulométrica torna-se mais siltosa (Argila: 13,10%, Silte: 78,31%, Areia: 8,59%) e a razão C/N apresentou acentuado decréscimo (média de 31,2), indicando que a influência fluvial diminuiu a partir desse período. Com a diminuição da influência fluvial foi observado o aumento da produtividade lacustre a partir do aumento do δ15N. O isolamento do lago em relação ao rio pode ter ocorrido devido ao aumento da umidade na região que permite o desenvolvimento da vegetação no entorno do lago Airo como é observado nos dias atuais. A partir do Holoceno Superior também é observado o aumento na concentração de micropartículas de carvão (valor médio de 3x106 partículas por grama) e do tamanho médio das partículas (644 μm²), que podem indicar atividade humana no local.
metadata.dc.description.abstractother: The Amazon Basin is an important and arguably key component of the carbon cycle due to its role in the carbon storage and also amenable to fast release to the atmosphere throughout land use change or drought-induced feedbacks.Despite the numerous studies about carbon stocks in the Amazonian soils and biomass little is known about the carbon accumulation in the floodplain lakes. In this context, the objective of this work is to evaluate the paleohydrological and paleoclimatic changes in Lake Airo during the last 13,000 years and how those changes affected the carbon accumulation in a floodplain lake located in the Negro river Sub-basin. In this study area a 146 cm core denominated AIRO12/01 was collected. Dated by four AMS-radiocarbon dates, this core has a basal age of 13300 cal years BP and three sedimentary units were identified. During the period between 13300 years cal BP to 11700 years cal BP was observed the occurence of humid climate in the region, evidenced by a grain size with higher proportions of sand (Clay: 0.2%, Silte 0.1 %, Sand: 99.63%) that indicates a strong fluvial influence. In addition an abrupt sedimentation event was observed at 13300 years cal BP interpreted as a consequence of heavy rains. The low values of Chlorophyll derivatives (average of 2.9 SPDU) indicate low lacustrine productivity that occurs due to strong lake influence. The values of δ13C indicated a greater proportion of terrestrial plants in the lacustrine organic matter. The strong influence of Negro river on the river in this period was also recorded by high C/N values (average value of 49.4 as a reflection of the influence of humic acids typical of this river system) and values of δ15N near to zero, representing a strong input of terrestrial material. Due to the strong river influence a extremely low TOC values was observed (average of 1.37%). Between 13300 and 11700 years cal BP the lake constituted a channel of the Negro River. The period between 11700 and 3000 years cal BP was characterized by a dry climate evidenced by an increase in the concentration of microparticles of charcoal (average of 2.4 x 106 particles per gram) and eolian activity observed from statistical analysis. The low charcoal particle size of this period (average of 104 μm2) may suggest the occurrence of regional paleofires. However, higher values of Chlorophyll derivatives (average 8.72 SPDU) and sligth elevation of TOC values (average of 2.90%) were observed suggesting a period of semi-isolation of the River. During this period the grain size was composed by higher concentration of sand, but with a small variation in proportion of its constituents (Clay: 1.57%, Silte: 5.18%, Sand: 93.24%). The last 3000 years BP was characterized by a wetter climate, evidenced by the increase of the chlorophyll derivatives (average 13 SPDU) and TOC (average of 34%). This phase was marked by a transition by a transition from coarse to finer sediments (Clay: 13.10%, Silt: 78.31%, Sand: 8.59%) and C/N ratio showed a significant decrease (average 31.2), indicating a reduction in the river influence. As a consequence a increase in the lacustrine productivity and in the δ15N values was observed during this period. The reduction of the river influence can be due to the increase of humid conditions which allowed the development of vegetation around the Lake Airo, as it is observed today. An increase in the concentration of microparticles of charcoal (mean values of 3 x 106 particles per gram) was observed. In addition the increase in the charcoal particle size (644 m) that characterized this period may indicate human activity around Airo Lake
URI: https://app.uff.br/riuff/handle/1/5886
Appears in Collections:PPG-GEO - Teses e Dissertações

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
Dissertação_Julia Duarte Contrera.pdf4.08 MBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.