Please use this identifier to cite or link to this item: https://app.uff.br/riuff/handle/1/6425
Title: Quando a liberdade (não) tem preço: fianças e sentidos de justiça na policia civil do Rio de Janeiro
Authors: Cardinelli, Marcus José da Silva
metadata.dc.contributor.advisor: Lima, Roberto Kant de
metadata.dc.contributor.advisorco: Pires, Lenin dos Santos
metadata.dc.contributor.members: Lima, Roberto Kant de
Pires, Lenin dos Santos
Miranda, Ana Paula Mendes de
Ferreira, Marco Aurélio Gonçalves
Issue Date: 2015
Citation: CARDINELLI, Marcus José da Silva. Quando a liberdade (não) tem preço: fianças e sentidos de justiça na policia civil do Rio de Janeiro. 2015. Dissertação (Mestrado em Mestrado em Antropologia) - Programa de Pós-Graduação em Antropologia, Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior, 2015.
Abstract: Nessa dissertação descrevo as práticas do arbitramento da fiança na Polícia Civil do Rio de Janeiro (PCERJ). Dessa forma, busco contribuir na compreensão da chamada “ética policial”. Ao mesmo tempo, proponho uma reflexão sobre as representações de poder nas delegacias da PCERJ, especialmente as dos delegados. Geralmente, eles exercitam esse poder através da interpretação/classificação de determinado fato dentro de certas categorias jurídicas. Na PCERJ, uma diversidade de descrições e de interpretações sobre os fatos são usadas para justificar determinadas finalidades. Primeiro se decide, depois se constrói a interpretação jurídica para o fato. No caso das fianças, os delegados, ao fazerem seus julgamentos sobre o cabimento e acerca do valor a ser atribuído a ela, levam em consideração a moralidade do preso em flagrante, quem ele parece ser, para além do fato praticado. A liberdade possui valores diferentes conforme esse julgamento moral produzido pelos delegados. Desse modo, com o discurso de se “fazer justiça”, alguns delegados da PCERJ impõem punições e reatualizam relações de poder. As questões abordadas nessa etnografia foram desenvolvidas mediante a observação direta em uma delegacia da PCERJ, da interação com seus delegados e seus inspetores, de entrevistas com atores policiais e com atores judiciários no Rio de Janeiro (no contexto de outras delegacias e do Tribunal de Justiça). Busquei, dessa forma, dar conta dos significados que os atores da PCERJ dão às fianças e à justiça.
metadata.dc.description.abstractother: In this thesis I describe the practices of bail set in the Civil Police of Rio de Janeiro (CPRJ). Thus I wish to contribute the comprehension of the “police ethics”. At the same time, I aim a reflection about the representations of power that inform the practices in the Civil Police of Rio de Janeiro, especially for their chiefs. Usually they exercise this power through the interpretation / classification of a given fact within certain legal categories. The chiefs decide at first, then they make a interpretation of the fact. In the case of bails, the chiefs observe when they make their judgment about the value, they take into account the morality of the prisoner, whom he seems to be, apart from the fact that was practiced. Freedom has different values according to this moral judgment made by the chiefs. Speaking about “making justice” some police chiefs impose punishments and they actualize power relations. The issues discussed in this ethnography were developed through direct observation in a police station on the CPRJ, in interaction with chiefs and detectives, interviews with police actors and judicial actors in Rio de Janeiro (in the context of the other stations and the Court of Law). Thereby I wanted to realize the meanings that the actors of CPRJ give the bails and the justice.
URI: https://app.uff.br/riuff/handle/1/6425
Appears in Collections:NEPEAC - Teses e Dissertações

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
MARCUS-JOSÉ-DA-SILVA-CARDINELLI.pdf891.56 kBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.