Please use this identifier to cite or link to this item: https://app.uff.br/riuff/handle/1/6438
Title: Longevidade em restaurações diretas posteriores CL I e CL II em dentes permanentes: uma Meta Análise
Other Titles: Longevity in later direct restorations CL I and CL II in permanent teeth: a Goal Analysis
Authors: Fai, Cheung Ka
metadata.dc.contributor.advisor: Santos, Gustavo Oliveira dos
Issue Date: 2015
Citation: FAI, Cheung Ka. Longevidade das restaurações diretas CL I e CL II em dentes posteriores, uma meta análise. Niterói, 2015. 37 f. Dissertação (Mestrado em Clínica Odontológica) - Universidade Federal Fluminense, Niterói, 2015.
Abstract: O objetivo do presente estudo foi avaliar a hipótese de não haver diferença na incidência de falhas, cáries secundárias e fraturas entre restaurações posteriores classe I e II de Black em amálgama e resina composta de acordo com o período de acompanhamento. Os questionamentos clínicos foram formulados e organizados de acordo com a estratégia PICOS. Uma busca eletrônica sem restrição de datas ou idiomas foi realizada no PubMed/MEDLINE, Cochrane Central Register of Controlled Trials e Web of Science até março de 2015. Os critérios de inclusão foram estudos clínicos em humanos com no mínimo 12 meses de acompanhamento que compararam a longevidade entre restaurações em amálgama e resina composta. A pesquisa inicial resultou em 938 títulos no PubMed/MEDLINE, 89 títulos no Cochrane Central Register of Controlled Trials e 172 no Web of Science. Após a avaliação inicial e criteriosa leitura, 8 estudos publicados entre os anos de 1992 a 2013, foram incluídos nesta revisão. Os resultados dessa revisão sugerem que as restaurações em resina composta para dentes posteriores ainda apresentam menor longevidade e um maior número de cáries secundárias quando comparadas as restaurações em amálgama. Em relação a fraturas, não houve uma diferença estatisticamente considerável entre os dois materiais restauradores em relação ao tempo de acompanhamento. Atualmente existe uma tendência mundial pela substituição das restaurações de amálgama por materiais livres de mercúrio, que sejam adesivos, e que promovam estética. Esse estudo buscou por evidências que fornecessem a longevidade de restaurações em amálgama quando comparadas às resina composta
metadata.dc.description.abstractother: The aim of this study was to evaluate the hypothesis of no difference in the incidence of failures, secondary caries and fractures among posterior restorations class I and II Black amalgam and composite resin according to the follow-up period. Clinical questions were formulated and organized according to the PEAKS strategy. An electronic search without blackout dates or languages was performed in PubMed / MEDLINE, Cochrane Central Register of Controlled Trials and Web of Science to March 2015. Inclusion criteria were clinical studies in humans with at least 12 months of follow-up comparing the longevity between amalgam restorations and composite resin. The initial search resulted in 938 titles in PubMed / MEDLINE, 89 titles in the Cochrane Central Register of Controlled Trials and 172 in Web of Science. After the initial reading and careful evaluation, 8 studies published between the years 1992 to 2013 were included in this review. The results of this review suggest that the composite resin restorations for posterior teeth still have less longevity and a greater number of secondary caries when compared to amalgam restorations. Regarding fractures, there was no statistically significant difference between the two restorative materials in relation to the observation period. Currently there is a worldwide trend for replacing amalgam fillings by mercury-free materials that are adhesives, and that promote aesthetic. This study sought to provide evidence for the longevity of amalgam restorations when compared to composite.
URI: https://app.uff.br/riuff/handle/1/6438
Appears in Collections:PPGO - Teses e Dissertações

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
Dissertação CHEUNG KA FAI.pdf691.04 kBAdobe PDFView/Open


This item is licensed under a Creative Commons License Creative Commons