Please use this identifier to cite or link to this item: https://app.uff.br/riuff/handle/1/6569
Title: O poeta e seus brinquedos: Uma leitura de Manoel de Barros
Other Titles: The poet and his toys: A reading of Manoel de Barros
Authors: Rodrigues, Rafaela Moreira
metadata.dc.contributor.advisor: Santos, Claudete Daflon dos
metadata.dc.contributor.members: Ribas, Maria Cristina Cardoso
Dias, André
Issue Date: 2017
Publisher: Universidade Federal Fluminense
Citation: […]Como é bom ter vindo de tão longe, estar agora caminhando Pensando e respirando no meio de pessoas desconhecidas Como é bom achar o mundo esquisito por isso, muito esquisito mesmo E depois sorrir levemente para ele com seus mistérios… […] Agradecer a Deus, que a gente ainda não sabe amar direito, A harmonia que a gente sente, vê e ouve. A beleza que a gente vê saindo das rosas; a dor saindo das feridas. Agradecer tanta coisa que a gente não pode acreditar que esteja acontecendo. […] Manoel de Barros
Abstract: Esta pesquisa propõe uma leitura crítica da poesia de Manoel de Barros tendo em vista a preocupação com o exercício poético presente em sua obra. Na verdade, verifica-se a existência de um jogo dinâmico caracterizado por uma poesia que se quer reflexiva ao mesmo tempo em que evoca a materialidade feita “brinquedo”. As metapoesias, frequentes nessa obra, deixam claro que o desejo do poeta é alcançar algo que é anterior à palavra e, portanto, pretende situar-se no princípio do que se pode dizer, por isso, é recorrente o uso de referências como a criança, os pássaros e/ ou os andarilhos. Essa situação primitiva/primordial parece ser a fronteira entre perceber o mundo e as coisas e conceituá-los. Isto é, entre a percepção sensorial e a organização do sentido dessas coisas em linguagem, acontece uma “travessia”, um deslocamento de uma condição para outra. Diante disso, foi possível indagar de que maneira a poesia se realiza como brinquedo e arte de brincar pelo “trans-uso” da linguagem, ou seja, pensar as relações entre brinquedo e poesia observando a possibilidade de serem instrumentos que viabilizam o deslocamento entre significantes e significados. Para tanto, o corpus principal desta pesquisa foi constituído pelo livro Memórias Inventadas, As infâncias de Manoel de Barros, publicado em 2010. A leitura crítica realizada, primeiramente, observou o aspecto memorialístico da obra, explorando o lugar biográfico-ficcional da escrita poética, com o auxílio de Leonor Arfuch. Em seguida, tratou-se da questão dos objetos e da materialidade na poesia de Manoel de Barros, a partir do que Hans Ulrich Gumbrecht e Paul Zumthor formularam. Por fim, verificou-se a demanda acerca da encenação na poesia de Manoel de Barros e observou-se tanto o objeto, o brinquedo-poema, quanto a ação de brincar de poesia, relacionando-se a estética da ordinariedade de Manoel e o brinquedo em suas particularidades, para tanto, foram pertinentes as contribuições teóricas de Walter Benjamin, Giorgio Agamben, Michel Manson, Johan Huizinga, entre outros pensadores
metadata.dc.description.abstractother: This research proposes a critical reading of the poetry of Manoel de Barros in view of the preoccupation with the poetic exercise present in his work. In fact, there is a dynamic game characterized by a poetry that wants to be reflexive while evoking the materiality made "toy". The metapoetry, frequent in this work, make it clear that the poet's desire is to achieve something that is prior to the word and therefore intends to place himself on the principle of what can be said, so it is recurrent to use references such as the child , the birds and / or the wanderers. This primitive / primordial situation seems to be the frontier between perceiving the world and things and conceptualizing them. That is, between the sensory perception and the organization of the meaning of these things in language, a "crossing" happens, a displacement from one condition to another. In view of this, it was possible to inquire how poetry performs as a toy and art of playing through the "trans-use" of language, that is, to think of the relations between toy and poetry, observing the possibility of being instruments that enable the displacement between signifiers and meanings. In order to do so, the main corpus of this research consisted of the book Memórias Inventadas, As infâncias de Manoel de Barros, published in 2010. The critical reading first observed the memorialistic aspect of the work, exploring the biographical-fictional place of poetic writing, with the help of Leonor Arfuch. Next, the question of objects and materiality was dealt with in the poetry of Manoel de Barros, from which Hans Ulrich Gumbrecht and Paul Zumthor formulated. Finally, the demand for the staging of Manoel de Barros's poetry was verified and the object, the toy-poem, and the play of poetry were observed, relating the aesthetics of Manoel's ordinariness and the toy in their particularities, the theoretical contributions of Walter Benjamin, Giorgio Agamben, Michel Manson, Johan Huizinga, among other thinkers were pertinent
URI: https://app.uff.br/riuff/handle/1/6569
Appears in Collections:POSLIT - Tese e Dissertação

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
Dissertação - versão com ficha catalográfica.pdf966.56 kBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.