Please use this identifier to cite or link to this item: https://app.uff.br/riuff/handle/1/7739
Title: A tentação da imanência: a impostura da língua e os devires da escrita na obra de M. G. Llansol
Authors: Souza Filho, Aderaldo Ferreira de
metadata.dc.contributor.advisor: Calvão, Dalva
metadata.dc.contributor.members: Pereira, Luci Ruas
Alves, Ida Maria Ferreira
Issue Date: 2011
Publisher: Universidade Federal Fluminense
Abstract: Este trabalho se propõe a analisar dois temas que atravessam a obra de Maria Gabriela Llansol: a impostura da língua e os devires da escrita. A impostura da língua compreende uma crítica a dimensão imaterial dos mecanismos de poder, que não se resume aos seus aspectos discursivos ou ideológicos, ou mesmo lingüísticos, mas remete à constituição do sujeito na linguagem, sua relação com o imaginário e a paisagem. Os devires da escrita compreendem a prática que procura ultrapassar tal impostura, procurando, através da estética, soluções para a dualidade dos mundos e que subvertam o sujeito enquanto forma de interioridade. Tais devires implicam a constituição de um espaço de comunicação entre os corpos, assim como entre estes e realidades imateriais, através de relações de simbiose. Este espaço é nomeado espaço edênico em Llansol. Nossa leitura destes temas recorre à obra filosófica de Deleuze e Guattari, em especial, Mil Platôs, onde eles desenvolvem o conceito de devir enquanto relação de simbiose que, em sua multiplicidade, constituem um espaço: o plano de imanência. Ao longo desta análise, procuramos relacionar os temas a autores que, com exceção de Pessoa, também constituem uma raiz genealógica comum entre Llansol e os dois filósofos franceses: Nietzsche e Spinoza.
metadata.dc.description.abstractother: This study aims to examine two themes that run through the work of Maria Gabriela Llansol: the deception of language and the becomings of writing. The deception of language comprises a critique to the mechanisms of power’s immaterial dimension, which is not limited to their ideological or discursive, or even linguistic aspects, but refers to the constitution of the subject in language, its relation to the imaginary and the landscape. The becomings of writing comprises the practice that seeks to overcome such deception, looking, through aesthetic, for solutions to the duality of the worlds and to the subversion of the subject as a form of interiority. Such becomings imply the establishment of a communication space between the bodies and between these and immaterial realities, through symbiotic relations. This space is named an Edenic space in Llansol. Our reading of these themes resorts to the philosophical work of Deleuze and Guattari, in particular, A Thousand Plateaus, where they develop the concept of becoming as a symbiotic relation that, in their multiplicity, constitute a space: the plane of immanence. Throughout this analysis, it is sought to relate the themes to authors that, except for Pessoa, also constitute a common genealogical root between Llansol and the two French philosophers: Nietzsche and Spinoza.
URI: https://app.uff.br/riuff/handle/1/7739
Appears in Collections:POSLIT - Tese e Dissertação

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
Dissertação versão final.pdf867.2 kBAdobe PDFView/Open


This item is licensed under a Creative Commons License Creative Commons