Please use this identifier to cite or link to this item: https://app.uff.br/riuff/handle/1/7788
Title: A política pública de economia solidária e o processo de emancipação da classe trabalhadora na particularidade brasileira
Authors: Godinho, Natália Tuler
metadata.dc.contributor.advisor: Silva, Marcela Soares
metadata.dc.contributor.members: Lima, Kátia Souza
Castro, Carla Appollinário de
Issue Date: 24-Aug-2018
Publisher: Universidade Federal Fluminense
Abstract: Este trabalho busca compreender a política pública de economia solidária inserida na particularidade da formação social brasileira e de um mercado de trabalho historicamente marcado pela não incorporação de amplos segmentos da classe trabalhadora ao mercado de trabalho formal, criando uma sociedade caracterizada por altos índices de desemprego e precarização do trabalho. Com ênfase nos governos do Partido dos Trabalhadores, buscou-se analisar os impactos que a organização em economia solidária, em sua forma de política pública, produz no processo de regressão dos direitos sociais e trabalhistas e no processo de consciência e organização política da classe trabalhadora com vistas à emancipação e superação da ordem vigente. Partiu-se da hipótese de que a organização dos trabalhadores em economia solidária redireciona a saída emancipatória via conquista do poder do Estado para uma saída fundamentalmente econômica via mercado, garantindo a reprodução ampliada do capital, por meio de diferentes modalidades de expropriação, integrando parte da superpopulação relativa às esferas da produção e do consumo, sem atingir a hegemonia do grande capital. A economia solidária é composta, majoritariamente, pelos trabalhadores mais pauperizados e precarizados que, por não estarem inseridos no mercado de trabalho dito formal, buscam na economia solidária formas de garantir sua subsistência. Ao final, conclui-se que, por um lado, a política pública de economia solidária tem caminhado junto da regressão dos direitos sociais, própria do contexto de crise estrutural do capital, e colaborado para o processo de responsabilização dos trabalhadores por sua condição. Por outro lado, não tem contribuído para a organização da classe trabalhadora na luta pela construção de uma outra sociedade, inserindo-se, assim, nas tendências de organização política do cenário contemporâneo, marcado pelo retrocesso na consciência de classe e pela ressignificação das lutas sociais
metadata.dc.description.abstractother: This work seeks understand the public police of social and solidarity economy inserted in the Brazilian social formation and in one labor market historically characterized by not insertion of many segments of working class to formal labor market, creating one society characterized by hight indices of unemployment and dysregulation of labor. With emphasis on the governs of the Brazilian Partido dos Trabalhadores (PT), it was sought analyse the impacts of the organization in social and solidarity economy, in your form of public police, produces in the process of regression end dysregulation of the social and labor rights and in the process of conscience and political organization of the working class to the emancipation and overcoming of the actual society. Was used the hypothesized that the political organization of the workers of the social and solidarity economy redirects the classical strategy by conquest of State power for one fundamentally economic strategy throught the market,, ensuring the enlarged reproduction of capital, throught different ways of expropriation, integrating part of the relative over population at sectors of production and consumption, without harm the hegemony of big capital. The social and solidarity economy is formed mostly by poor workers and workers of the dysregulation of labor, because they are not in the formal and regulated labor market and seek in the social and solidarity economy ways of ensure their subsistence. At end it is concludes that one side the public police of social and solidarity economy follow beside the dysregulation of labor, characteristic of structural crisis of capital, and cooperated for the process of worker accountability for their condition. By the other side is not contributing for the political organization of working class in the struggles for the construction of another society. The social and solidarity economy is part of the tendencies of political organization of contemporary setting, characterized by kickback in the class consciousness e by the redetermination of social struggles
URI: https://app.uff.br/riuff/handle/1/7788
Appears in Collections:PPGSSDR - Teses e Dissertações

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
Dissertação Natalia Tuler.pdf1.75 MBAdobe PDFView/Open


This item is licensed under a Creative Commons License Creative Commons