Please use this identifier to cite or link to this item: https://app.uff.br/riuff/handle/1/7961
Title: Índice tornozelo-braquial como preditor de mortalidade em hemodiálise: um estudo de coorte de 5 anos
Authors: Miguel, Jair Baptista
metadata.dc.contributor.advisor: Matos, Jorge Paulo Strogoff de
metadata.dc.contributor.advisorco: Lugon, Jocemir Ronaldo
metadata.dc.contributor.members: Cruz Filho, Rubens Antunes da
Santos, Ana Maria Ribeiro dos
Pecly, Inah Maria Drummond
Marques, Luiz Paulo José
Gomes, Carlos Perez
Issue Date: 2016
Publisher: Universidade Federal Fluminense
Abstract: Introdução: Estudos têm mostrado que alteração do índice tornozelo-braquial (ITB) é um importante preditor da mortalidade em hemodiálise (HD). Entretanto, o período de acompanhamento dos pacientes foi relativamente curto, de menos de 2 anos. Objetivo: Avaliar o valor preditivo de um ITB alterado como fator de risco independente para óbito por qualquer causa em pacientes em HD de manutenção, após um período de acompanhamento de 5 anos. Métodos: Um total 478 pacientes em HD por pelo menos 12 meses foram incluídos no estudo. O ITB foi medido utilizando-se um esfigmomanômetro de coluna de mercúrio e um Doppler portátil. Os pacientes foram divididos em 3 grupos de acordo com o ITB (baixo: <0,9; normal: 0,9 a 1,3; e alto: >1,3) e foram acompanhados por um período de 60 meses. Resultados: A prevalência do ITB baixo, normal e alto foi de 26,8%, 64,6% e 8,6%, respectivamente. A sobrevida em 5 anos foi menor no grupo ITB baixo (44,1%, P<0,0001) e no grupo ITB alto (60,8%, P= 0,025) do que no grupo normal (71,7%). O modelo de regressão de Cox foi usado para avaliar a associação entre o ITB e risco mortalidade, ajustando para potenciais confundidores. Considerando ITB normal como referência, apenas ITB baixo se mostrou um fator de risco independente de mortalidade por todas as causas (HR 2,57; IC 95% 1,84-3,57). Conclusões: Os pacientes com ITB baixo e alto apresentaram taxas de sobrevida em longo prazo menores do que os pacientes com ITB normal. Entretanto, após os ajustes para os potenciais confundidores, apenas o ITB baixo persistiu como fator de risco independente para mortalidade por todas as causas entre os pacientes em hemodiálise
metadata.dc.description.abstractother: Background: Abnormal ankle-brachial index (ABI) has been found to be a strong predictor of mortality in some hemodialysis populations in studies with relatively short periods of follow-up, lower than 2 years. Objective: This study aimed to assess the predictive value of abnormal ankle-brachial index as a risk factor for death among patients on maintenance hemodialysis after a 5-year follow-up. Methods: A total of 478 patients on HD for at least 12 months were included in the study. ABI measurement was performed using a mercury column sphygmomanometer and portable Doppler. Patients were divided into 3 groups, according to ABI (low: <0.9; normal: 0.9 to 1.3; and high: >1.3) and were followed for a 60-month period. Results: The prevalence rates of low, normal and high ABI were 26.8%, 64.6% and 8.6%, respectively. The 5-year survival rate was lower in the groups with low ABI (44.1%, P<0.0001) and high ABI (60.8%, P= 0.025) than in the group with normal ABI (71.7%). Cox regression was used to evaluate the association between ABI and mortality, adjusting for potential confounders. Having normal ABI as reference, low ABI was found an independent risk factor for all-cause mortality (HR 2.57; 95% CI 1.84-3.57), but not high ABI (HR 1.62; 95% CI 0.93-2.83). Conclusions: long-term survival rates of patients with either low or high ABI were lower than the one from those with normal ABI. However, after adjustment for potential confounders, only low ABI persisted as an independent risk factor for all-cause mortality among hemodialysis patients
URI: https://app.uff.br/riuff/handle/1/7961
Appears in Collections:PPGCM - Teses e Dissertações

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
Tese -Jair Baptista Miguel.pdf987.3 kBAdobe PDFView/Open


This item is licensed under a Creative Commons License Creative Commons