Please use this identifier to cite or link to this item: https://app.uff.br/riuff/handle/1/7963
Title: Dinâmica de colonização nasal por Staphylococcus aureus resistente à meticilina associado à comunidade em crianças, adolescentes e adultos jovens infectados pelo HIV
Authors: Vieira, Maria Teresa Campos
metadata.dc.contributor.advisor: Cardoso, Claudete Aparecida Araújo
metadata.dc.contributor.advisorco: Velarde, Luis Guillermo Coca
metadata.dc.contributor.members: Setúbal, Sérgio
Diniz, Lilian Martins Oliveira
Herdy, Gesmar Volga Haddad
Morandi, José Laerte Junior Boechat
Lago, Marcos Junqueira do
Issue Date: 2016
Publisher: Universidade Federal Fluminense
Abstract: O Staphylococcus aureus resistente à meticilina associado à comunidade (CA-MRSA) disseminou-se rapidamente em ambientes comunitários e hospitalares, tornando-se um desafio à saúde pública. Pacientes infectados pelo HIV apresentam taxas de prevalência de colonização nasal superiores à dos pacientes não infectados pelo vírus. A infecção pelo HIV parece associar-se fortemente ao padrão de colonização persistente pelo MRSA. Existem vários relatos que demonstram que indivíduos colonizados por MRSA têm maior chance de desenvolver infecção. Os objetivos deste estudo foram descrever, em crianças, adolescentes e adultos jovens infectados pelo HIV, a frequência e os fatores associados à colonização nasal por MRSA; caracterizar genotipicamente as cepas de MRSA; e determinar os padrões de colonização (persistente ou intermitente) considerando os dados epidemiológicos e genotípicos. Trata-se de um estudo observacional e longitudinal, realizado nos ambulatórios de aids do Hospital Universitário Antônio Pedro e do Hospital Federal dos Servidores do Estado, RJ, no período de fevereiro de 2012 a agosto de 2013. O estudo incluiu 117 pacientes infectados pelo HIV, na faixa etária de zero a 24 anos, selecionados por conveniência. Os dados clínicos e laboratoriais foram obtidos por meio de um questionário. Uma amostra de secreção nasal foi coletada a cada três meses (com variação de ±1,5 mês) durante um ano após a admissão no estudo, em um total de cinco amostras para cada paciente. A coleta foi realizada pela rotação suave de um suabe estéril em cada uma das narinas anteriores. Foram coletadas 530 amostras, 57 das quais foram positivas para MRSA. Nas amostras positivas para MRSA foi realizada, por reação em cadeia da polimerase (PCR), a pesquisa dos genes de resistência (mecA) e de patogenicidade (lukS-PV e lukF-PV). A tipagem do cassete cromossômico estafilocócico (SCCmec, Staphylococcus chromosomal cassette mec) foi feita por reação de PCR multiplex. A caracterização clonal foi feita por Multiloccus Sequence Typing (MLST) e Spa-typing. As frequências observadas de colonização nasal por S. aureus e MRSA foram de 83,8% (98/117) e 27,4% (32/117), respectivamente. A análise do padrão de colonização nasal por MRSA evidenciou que 40,6% (13/32) eram portadores persistentes e 59,4% (19/32) eram portadores intermitentes. Na análise bivariada, a aglomeração domiciliar, ou seja, a presença de cinco ou mais coabitantes no domicílio, associou-se à colonização por MRSA [OR=2,72 (IC95%=1,69-6,37)] e ao padrão de colonização persistente por MRSA [OR=3,73 (IC95%= 1,24-11,17)]. O grau de imunodeficiência pelo HIV não se associou nem à colonização por MRSA (p=0,513), nem ao padrão de colonização por MRSA (p=0,315). O MRSA foi evidenciado em 32 participantes do estudo, dos quais 29 (90,6%) apresentavam SCCmec IV, habitualmente associado ao CA-MRSA. Os tipos clonais mais frequentemente detectados por Spa-typing e MLST foram, tanto no grupo de portadores persistentes como no de intermitentes, o t002/ST5, presente em 19 de 57 (33,3%) amostras e o t318/ST30, presente em 18 de 57 (31,6%) amostras. Este estudo mostra a importância do número de coabitantes por domicílio como fator de risco associado tanto à colonização nasal em si quanto ao padrão persistente de colonização por MRSA, independentemente do grau de imunodeficiência pelo HIV
metadata.dc.description.abstractother: Community-associated methicillin-resistant Staphylococcus aureus (CA-MRSA) has spread rapidly both to community and to nosocomial settings and became a challenge to public health. HIV-infected patients have higher nasal colonization prevalence rates than HIV-uninfected patients. HIV infection appears to be highly associated with the pattern of persistent MRSA colonization. There are many reports showing that MRSA-colonized individuals have higher chances of developing infection. The aims of this study were to assess the frequency and the factors associated with MRSA nasal colonization, to characterize genotypically the MRSA strains and to determine the pattern of nasal colonization (intermittent or persistent) considering the epidemiological and genotypic data in HIV-infected children, adolescents and young adults. This observational and longitudinal study was conducted at the AIDS outpatient clinics of Antonio Pedro University Hospital and Federal Civil Servants Hospital, Rio de Janeiro, from February 2012 to August 2013. The study included 117 HIV-infected patients aged zero to 24 years enrolled in a convenience sampling. A sample of nasal secretion was collected at three months intervals (±1.5 months) during one year after enrolling in the study, totalizing five samples for each patient. Samples were collected by gently rotating a sterile swab in each of the anterior nares. Five hundred and thirty samples were collected, 57 of which were MRSA-positive. All MRSA-positive samples were assessed by polymerase chain reaction (PCR) for detection of resistance (mecA), and pathogenicity genes (lukS-PV and lukF-PV). The staphylococcal cassette chromosome (SCCmec Staphylococcus chromosomal cassette mec) was typed by multiplex PCR. The clonal characterization of MRSA was made by Multiloccus Sequence Typing (MLST) and Spa-typing. The frequencies of S. aureus and MRSA nasal colonization were 83.8% (98/117) and 27.4% (32/117), respectively. The pattern of colonization analysis showed 40.6% (13/32) of persistent and 56.4% (19/32) of intermittent carriers. In the bivariate analysis, household crowding with five or more cohabitants was associated with MRSA colonization [OR=2.72 (IC95%=1.69-6.37)] and with the pattern of persistent colonization [OR=3.73 (IC95%=1.24-11.17)]. The level of HIV-related immunodeficiency was not associated with colonization (p=0.513) or with pattern of MRSA colonization (p=0.315). MRSA was observed in 32 subjects, of whom 29 (90.6%) harbored SCCmecIV, usually associated with CA-MRSA. The predominant Spa-typing and MLST clones found in persistent and intermittent carriers were t002/ST5 in 19 of 57 samples (33.3%) and t318/ST30 in 18 of 57 samples (31.6%). This study highlights the importance of the household crowding as a risk factor for colonization and for the pattern of persistent MRSA nasal colonization, independently of the level of HIV-related immunodeficiency
URI: https://app.uff.br/riuff/handle/1/7963
Appears in Collections:PPGCM - Teses e Dissertações

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
TESE - Maria Teresa.pdf1.57 MBAdobe PDFView/Open


This item is licensed under a Creative Commons License Creative Commons