Please use this identifier to cite or link to this item: https://app.uff.br/riuff/handle/1/8237
Title: Análise da frequência da antigenemia pp65 para citomegalovírus em pacientes com lúpus eritematoso sistêmico internados com suspeita de infecção
Authors: Baptista, Katia Lino
metadata.dc.contributor.advisor: Almeida, Jorge Reis
metadata.dc.contributor.advisorco: Klumb, Evandro Mendes
metadata.dc.contributor.members: Olej, Beni
Eduardo, José Carlos Carraro
Toma, Helena Keiko
Issue Date: 2016
Abstract: Introdução: Agentes infecciosos estão entre os principais responsáveis pela mortalidade no lúpus eritematoso sistêmico (LES). O citomegalovírus humano (CMV) é um patógeno oportunista frequente em pacientes imunossuprimidos. Diferentemente da medicina de transplante de órgãos, poucos estudos objetivam correlacionar a antigenemia pp65 e o diagnóstico do CMV em pacientes com LES. Objetivo: Analisar, por meio da antigenemia pp65, a frequência da infecção/doença pelo citomegalovírus em uma série de pacientes com LES. Métodos: Uma série de pacientes com LES internados foi selecionada e os pacientes foram divididos em dois grupos. Grupo I: pacientes no início de indução terapêutica da imunossupressão; Grupo II: pacientes com suspeita de infecção relacionada a qualquer agente etiológico, ainda não esclarecida. No Grupo I foi realizado rastreamento ativo, via antigenemia pp65, com início no dia da indução, que se seguiu após 30, 60 e 90 dias. No Grupo II foi realizado também rastreamento com seguimento ativo, a partir do dia da suspeita, e após 15 e 30 dias. O ensaio de antigenemia pp65 para CMV foi realizado a partir do kit reagente comercial CMV turbo Brite, pelo método de imunofluorescência. Resultados: Foram incluídos 29 pacientes (Grupo I = 10; Grupo II = 19) com média de 29,9 ± 11,0 anos (87% mulheres, 83% de cor da pele parda e preta). Nenhum paciente do Grupo I apresentou positividade para o pp65 (0/10). No Grupo II, entretanto, encontramos positividade para a pp65 em 7/19, que são descritos como uma série. Linfopenia foi mais frequente nos pacientes com positividade para antigenemia pp65, assim como elevações na proteína C reativa, LDH e CPK, mas não observamos relações com os índices de atividade, sorologias e tipo de drogas imunossupressoras. Cinco pacientes com antigenemia pp65 positiva receberam terapia antiviral com ganciclovir. Um paciente evoluiu para óbito atribuível a doença citomegálica. Conclusões: Em pacientes com LES e suspeita não esclarecida de infecção não confirmada, a antigenemia pp65 pode ser relevante na prática clínica. Entretanto, estudos mais elaborados e com maior número de pacientes são necessários para que se definam questões como sensibilidade e especificidade da pp65 no contexto de diferentes momentos clínicos de paciente com LES
metadata.dc.description.abstractother: Introduction: Infectious agents are among the main causes of mortality in systemic lupus erythematosus (SLE). The human cytomegalovirus (CMV) is a common opportunistic pathogen in immunosuppressed patients. In contrast to organ transplant medicine, few studies focuses correlate pp65 antigenemia and the diagnosis of CMV in patients with SLE. Objective: To track the frequency of pp65 antigenemia in a series of patients with SLE in a pilot study. Methods: Hospitalized SLE patients were recruited from NOV/2014 to NOV/2015 and they were divided into two groups. Group I: SLE activity and the start of therapeutic induction of immunosuppression; Group II: unknown etiology of a suspected infection in SLE patients. In Group I, it an active tracking was made via pp65 antigenemia starting on the day of induction, which followed on 30, 60 and 90 after induction. In Group II, it was also performed an active tracking, from the day of the suspected and after 15 and 30 days. The pp65 antigenemia for CMV was performed from the commercial reagent kit CMV Brite Turbo, by immunofluorescence method. The results were correlated to clinical findings, laboratory and therapy. Results: We included 29 patients (Group I = 10; Group II = 19) with a mean age of 39.9 ± 11.0 years (87% women, 83% of black and brown). In Group I, no patient was positive for pp65 (0/10). In Group II, however, we found positivity to pp65 in 7/19 and they are described as a series. Lymphopenia was more common in patients with positive pp65 antigenemia as well as increases in C-reactive protein, LDH and CPK. However, we did not observe correlations with activity indices, serology and type of immunosuppressant drugs. Five patients who presented positive pp65 antigenemia received antiviral therapy with ganciclovir. One patient died due a cause attributable to CMV disease. Conclusions: In SLE patients and an unclear suspected infection, pp65 antigenemia may be relevant in clinical practice. However, further studies with greater numbers of patients are needed to be defined issues such as sensitivity and specificity of pp65 in the context of different clinical moments of SLE patients
URI: https://app.uff.br/riuff/handle/1/8237
Appears in Collections:PPGCM - Teses e Dissertações

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
DISSERTACAO_FINAL_KATIA_LINO_BAPTISTA.pdf1.92 MBAdobe PDFView/Open


This item is licensed under a Creative Commons License Creative Commons