Please use this identifier to cite or link to this item: https://app.uff.br/riuff/handle/1/8262
Title: A politica econômica externa e a política doméstica: a crise da dívida externa brasileira no final do século XX.
Authors: Lima, Delcio Machado de
metadata.dc.contributor.advisor: Leopoldi, Maria Antonieta P.
metadata.dc.contributor.members: Heye, Thomas
Santos, Fabiano
Gomes, Eduardo Rodrigues
Pessanha, Charles
Issue Date: 2008
Publisher: Universidade Federal Fluminense
Abstract: O objetivo desta dissertação é estudar a interseção existente entre a política econômica externa brasileira e a política doméstica e seus efeitos internos. Isto é feito por intermédio do estudo da crise da dívida externa, um episódio diferenciado na história recente do Brasil por seus aspectos políticos, econômicos e simbólicos. O foco é sobre a política econômica externa brasileira entre 1982 e 1994, período que caracteriza a crise. Durante a crise, os acordos com o FMI em torno da dívida externa foram percebidos na agenda política doméstica como recessivos e prejudiciais à economia brasileira. Em conseqüência, ocorreu uma intensa politização da dívida externa e os interesses do Executivo e do Congresso Nacional divergiram nesta questão. A teoria do jogo dos dois níveis de Robert Putnam, utilizada nesta dissertação, permitiu avaliar o grau de influência de cada um desses atores políticos nas negociações durante a crise da dívida externa. O Executivo aparece insulado em suas decisões e o Congresso Nacional reagia às políticas de gestão da dívida. A análise dos objetivos e estratégias contrastantes dos negociadores brasileiros e dos representantes dos credores internacionais, periodizada pelos governos da época, serve de base para mostrar as dificuldades nas negociações e as divergências no período inicial de tentativas de entendimento entre as duas partes. Estuda-se também as circunstâncias supervenientes, que permitiriam a credores e devedores chegarem ao acordo definitivo, mais de uma década após o início das negociações. Na conclusão, é mostrado que o insulamento burocrático do Executivo não foi absoluto e que ele mostrou-se adequado para a solução da crise da dívida no final do século passado. Mas, nos dias correntes, em um contexto de plenitude democrática, esse procedimento não encontraria mais legitimidade.
metadata.dc.description.abstractother: This study aims at verifying the influence of foreign economic policy into the domestic policy arena. Due to the vast scope of such proposition, we chose to study one particular dimension of this question in closer detail. A case study of the Brazil’s foreign debt crisis, from 1982 to 1994 is used with this purpose. The foreign debt, at that time, was an important matter due to its association with the country’s economic growth. The agreements with the international banks and the IMF, during the crisis, were criticized by the Brazilian society and seen as prejudicial to the national economy because its painful side effects as recession and unemployment. So, this subject was politized and the Executive and the National Congress diverged about it. The two levels game theory of Robert Putnam, used in this study, helped to evaluate the influence of each actor concerning the debt crisis management. The comparison of strategies employed by both sides has shown the difficulties and the moments of agreement at negotiations table. The conclusion of this study is that the preponderance of the Executive in this question was useful and appropriated for the circumstances. But, nowadays, in a democratic context, the bureaucratic insulation has no more legitimacy.
URI: https://app.uff.br/riuff/handle/1/8262
Appears in Collections:PPGCP -Teses e Dissertações

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
Dissertação de 2008 Delcio Machado de Lima.pdf311.96 kBAdobe PDFView/Open


This item is licensed under a Creative Commons License Creative Commons