Please use this identifier to cite or link to this item: https://app.uff.br/riuff/handle/1/8492
Title: Estratégia saúde da família na perspectiva de Foucault e Deleuze: sobre controles, capturas biopolíticas e a bioética como antídoto
Authors: Oliveira, Irene Lopes Vieira Alves da Cunha
metadata.dc.contributor.advisor: Batista, Rodrigo Siqueira
metadata.dc.contributor.members: Batista, Rodrigo Siqueira
Rego, Marisa Palacios da Cunha e Melo de Almeida
Franco, Túlio Batista
Moreira, Luiz Carlos Hubner
Issue Date: 2017
Publisher: UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE
Citation: OLIVEIRA, Irene Lopes Vieira Alves da Cunha. Estratégia saúde da família na perspectiva de Foucault e Deleuze: sobre controles, capturas biopolíticas e a bioética como antídoto. 2017. 93 f.
Abstract: Nesse trabalho pretendeu-se investigar os problemas bioéticos na Estratégia Saúde da Família (ESF), identificados na literatura, a partir dos conceitos foucaultianos de biopolítica e de biopoder e das conversações deleuzianas acerca das sociedades de controle e de suas capturas, e discutir as possibilidades da Bioética da Proteção, formulada por Fermin Roland Schramm e Miguel Kottow, na abordagem desses problemas. Esta trajetória produziu um deslocamento no objetivo inicial do trabalho, uma ‘linha de fuga’, pois, para além de abordar os principais problemas bioéticos da ESF, colocou-se em análise a ESF em si. O trabalho foi divido em três capítulos, sendo o primeiro intitulado ‘A estratégia saúde da família e as sociedades de controle’; o segundo ‘Problemas bioéticos na estratégia saúde da família: capturas entre biopolítica e biopoder’; e o capítulo final ‘A bioética da proteção como forma de resistência’. Foi possível concluir que a ESF tem sido – também – utilizada como um dispositivo de controle das pessoas/comunidades, pois, em nome da gestão da saúde, a estratégia acaba por intervir além da demanda dos indivíduos, das famílias e das coletividades, invadindo sua privacidade, vigiando seu comportamento, controlando suas escolhas, tentando normalizar sua conduta. Propõe-se, que a Bioética da Proteção, que resgata o papel do estado em assumir suas responsabilidades sanitárias com as populações, colocando em questão as condições desiguais que roubam dos indivíduos o seu direito à saúde e consequentemente a possibilidade de realização de seus legítimos projetos de vida, se constitui como um possível antídoto às biopolíticas de saúde que massificam e uniformizam suas ações, expropriando a autonomia e a singularidade dos indivíduos.
metadata.dc.description.abstractother: This work aimed to investigate the bioethical problems in the Family Health Strategy (FHS), identified in the literature, based on the Foucaultian concepts of biopolitics and biopower and the Deleuzian conversations about control societies and their captures, and to discuss possibilities of the Bioethics of Protection, formulated by Fermin Roland Schramm and Miguel Kottow, in the approach of these problems. This path produced a displacement of the initial objective of the work, an 'escape line', since, in addition to addressing the main bioethical problems of the FHT, the FHT itself was analyzed. The work was divided into three chapters, the first being titled 'The family health strategy and control societies'; The second 'Bioethical problems in family health strategy: captures between biopolitics and biopower'; And the final chapter 'The bioethics of protection as a form of resistance'. It was possible to conclude that the FHS has also been used as a device to control people / communities, because, in the name of health management, the strategy ends up intervening beyond the demands of individuals, families and communities, invading their privacy, monitoring their behavior, controlling their choices, trying to normalize their conduct. It is proposed that the Bioethics of Protection, which rescues the role of the state in assuming its sanitary responsibilities with the populations, calling into question the unequal conditions that rob individuals of their right to health and consequently the possibility of carrying out their legitimate projects of life, constitutes a possible antidote to health biopolitics that massify and standardize their actions, expropriating the autonomy and individuality of individuals
URI: https://app.uff.br/riuff/handle/1/8492
Appears in Collections:PPGSC - Teses e Dissertações

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
Dissertação - 19.pdf889.79 kBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.