Please use this identifier to cite or link to this item: https://app.uff.br/riuff/handle/1/8613
Title: Associação entre tempo de tela e consumo alimentar em adolescentes escolares de Niterói/RJ
Authors: Rodrigues, Renata da Rocha Muniz
metadata.dc.contributor.advisor: Yokoo, Edna Massae
metadata.dc.contributor.advisorco: Estima, Camilla de Chermont Prochnik
metadata.dc.contributor.members: Estima, Camilla de Chermont
Yokoo, Edna Massae
Souza, Amanda de Moura
Veiga, Gloria Valeria da
Wahrlich, Vivian
Issue Date: 2017
Publisher: UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE
Citation: RODRIGUES, Renata da Rocha Muniz. Associação entre tempo de tela e consumo alimentar em adolescentes escolares de Niterói/RJ. 2017. 86 f. Dissertação (Mestrado em Saúde Coletiva) - Universidade Federal Fluminense, Niterói, 2017.
Abstract: INTRODUÇÃO: O sobrepeso e a obesidade em crianças e adolescentes estão crescendo em todo o mundo. Alterações nos hábitos alimentares, como maior consumo de alimentos ultraprocessados, ricos em gorduras, sódio e açucares e o aumento das horas despendidas em atividades sedentárias são importantes contribuintes para este quadro nutricional. Há evidências da associação do tempo de tela com o consumo alimentar em adolescentes, mas estudos longitudinais são necessários para que a relação causa-efeito seja confirmada. OBJETIVO: Avaliar a associação entre tempo de tela e consumo alimentar dos adolescentes durante um ano letivo. MÉTODOS: Trata-se de um estudo longitudinal envolvendo escolares de duas escolas públicas de Niterói, região metropolitana do Rio de Janeiro. A amostra foi composta por adolescentes com idade entre 10 e 16 anos. Para investigar o consumo alimentar foi aplicado um questionário de frequência do consumo alimentar (QFCA) e foram considerados quatro grupos de alimentos marcadores: dois de alimentação saudável (frutas e hortaliças) e dois de alimentação não saudável (biscoitos e bebidas adoçadas). Para avaliar o tempo de tela um questionário contendo questões sobre comportamento sedentário (tempo de tela) e prática de atividade física foi aplicado. Ambos os questionários foram aplicados no início e no final do ano letivo de 2014. Além disso, a avaliação antropométrica também foi realizada nos dois momentos. As análises estatísticas foram realizadas com o programa SAS (versão 9.3). Para as análises longitudinais, empregou-se modelos mistos, que levam em conta tanto os efeitos específicos de cada indivíduo quanto os dados faltantes. Foi considerada a significância estatística de <0,05 para todos os testes. RESULTADOS: Participaram do estudo 448 alunos, sendo 55,1% do sexo masculino. Em relação ao estado nutricional, 34% apresentavam excesso de peso. Observou-se elevado tempo de tela entre os adolescentes (67,1% encontravam-se na categoria de ≥5 horas por dia). Aqueles que apresentavam maior tempo de tela relataram maior consumo de todos os grupos de alimentos marcadores avaliados, destacando o elevado consumo médio diário de bebidas adoçadas (1254,6 ml). A análise longitudinal mostrou que a redução do consumo de bebidas adoçadas no grupo com maior tempo de tela foi estatisticamente significativa (p= 0,035) comparando com o grupo de menor tempo de tela. Porém, apesar da redução, o consumo de bebidas adoçadas entre os adolescentes com maior tempo de tela permaneceu maior do que o observado entre os adolescentes com menor tempo de tela, no final do acompanhamento. CONCLUSÃO: O tempo de 11 tela pode influenciar no consumo de bebidas adoçadas ao longo do tempo. Sugere-se que a redução do tempo gasto em atividades sedentárias e escolhas alimentares saudáveis sejam prioridades nos estudos de intervenção e na elaboração de políticas públicas a fim de contribuir para um estilo de vida mais saudável dos adolescentes
metadata.dc.description.abstractother: BACKGROUND: Overweight and obesity in children and adolescents are growing worldwide. Changes in eating habits, such as increased consumption of ultra-processed foods high in fat, sodium and sugar and increased hours spent in sedentary are important contributors to this nutritional status. There is evidence of the association of screen time with food consumption in adolescents, but longitudinal studies are needed for the causeeffect relationship is confirmed. OBJECTIVE: To evaluate the association between screen time and food consumption of adolescents during a school year. METHODS: This was a longitudinal study involving students from two public schools in Niterói, in the metropolitan region of Rio de Janeiro. The sample consisted of adolescents aged 10 to 16 years. To investigate food consumption it was applied a food frequency questionnaire (FFQ) and were considered four markers foods groups: two healthy food (fruits and vegetables) and two of unhealthy food (biscuits and sweetened beverages). To evaluate the screen time a questionnaire containing questions about sedentary behavior (screen time) and physical activity was applied. Both questionnaires were administered at the beginning and end of the school year 2014. In addition, anthropometric assessment was also carried out in two stages. Statistical analyzes were performed using the SAS (version 9.3). For longitudinal analyzes, we used mixed models, which take into account both the specific effects of each individual as missing data. The statistical significance of <0.05 for all tests was considered. RESULTS: The study included 448 students, of which 55.1% were male. Regarding nutritional status, 34% were overweight. There was high screen time among adolescents (67.1% were in the category of ≥5 hours per day). Those who had high screen time had higher consumption of all foods markers assessed, highlighting the high average daily consumption of sweetened beverages (1254,6 ml). The longitudinal analysis showed that high screen time group reduced the consumption of sweetened beverages over the school year compared to the low screen time group with statistical significant (p = 0.035). However, despite the reduction in the consumption of sweetened beverages among adolescents with most screen time it remained higher than that observed among adolescents with less screen time, at the end of follow-up. CONCLUSION: The screen time may influence the consumption of sweetened beverages over time. It is suggested that the reduction of time spent in sedentary activities and healthy food choices are 13 priorities in intervention studies and the development of public policies in order to contribute to a healthier lifestyle of teenagers
URI: https://app.uff.br/riuff/handle/1/8613
Appears in Collections:PPGSC - Teses e Dissertações

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
DISSERTAÇÃO- 30.pdf3.81 MBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.