Please use this identifier to cite or link to this item: https://app.uff.br/riuff/handle/1/9010
Title: Peso ao nascer no município de Niterói - 2000 a 2009: tendência temporal e características epidemiológicas
Authors: Rozário, Suelem do
metadata.dc.contributor.advisor: Fonseca, Sandra Costa
metadata.dc.contributor.advisorco: Brito, Alexandre
metadata.dc.contributor.members: Fonseca, Sandra Costa
Issue Date: 2012
Citation: ROZÁRIO, Suelem do. Peso ao nascer no município de Niterói - 2000 a 2009: tendência temporal e características epidemiológicas. 2012. 80 f. Dissertação (Mestrado em Saúde Coletiva) - Universidade Federal Fluminense, Niterói, 2012.
Abstract: O peso ao nascer se mantém como indicador importante da saúde infantil, relacionado ao desenvolvimento e à morbimortalidade. Nesta dissertação, utilizou-se o banco de dados do Sistema de Informações sobre Nascidos Vivos (SINASC), para analisar a tendência temporal do peso de neonatos em Niterói, nos últimos dez anos, com destaque para o indicador baixo peso ao nascer - BPN <2500g). Vários estudos têm demonstrado a alta confiabilidade da variável peso do recém-nascido (RN) no SINASC e confiabilidade de boa a excelente para a maioria das variáveis relacionadas ao peso ao nascer. Foram usados os bancos do SINASC cedidos pela Fundação Municipal de Saúde de Niterói. Os dados foram processados e analisados com o programa SPSS versão 17.0 e o programa Joinpoint Regression, do National Cancer Institute. Foram incluídos no estudo 62.449 recém-nascidos, no período de 2000 a 2009. A completitude da informação foi alta para a maioria das variáveis. Os resultados do estudo geraram dois artigos. No primeiro, descreveram-se as mudanças temporais nas características maternas, assistenciais e do RN. Houve redução no número de nascidos vivos (e aumento da primiparidade - 1,8% ao ano). Quanto à idade materna, predomina a faixa entre 20 e 34 anos, com redução constante de adolescentes (2,3% ao ano) e aumento da gravidez em mulheres com mais de 35 anos (2,9% ao ano). No nível educacional, houve melhoria, com redução importante da baixa escolaridade e aumento do nível intermediário (8-11 anos); além de discreto aumento na alta escolaridade. A maioria das gestantes (em torno de 80%) realizou sete ou mais consultas de pré-natal, sem tendências no período. A gravidez única teve percentual próximo de 98%, mas observou-se incremento do parto múltiplo. O parto vaginal vem apresentando uma tendência mantida de queda (1,9% ao ano) e o parto cesáreo, de aumento (1,1% ao ano), sendo realizado por 70% das mulheres. Em relação ao peso do RN, o BPN apresentou tendência à diminuição, de 0,9% ao ano e o recém nascido de muito baixo peso (RNMBP) teve incremento anual de 1,5%. A prematuridade (< 37 semanas) aumentou de 7,4 para 7,9%. O segundo artigo explorou a tendência temporal do peso ao nascer, de acordo com as variáveis: idade, escolaridade, pré-natal, tipo de parto e cor. O peso ao nascer mostrou discreta tendência de aumento no período estudado, e, semelhante a outros estudos nacionais, observou-se queda nas mulheres com baixa escolaridade e aumento nas mulheres com mais de 12 anos de estudo. A queda do BPN também foi observada nas adolescentes e nas mulheres com parto vaginal. Por outro lado, houve tendência crescente da faixa dos RN de muito baixo peso. A prematuridade mostrou aumento na primeira metade do período, mais acentuado na faixa menor que 32 semanas. Na segunda metade, notou-se inversão desta tendência, mas em menor intensidade. O peso ao nascer não tem sido ainda tão afetado pela prematuridade crescente, mas observou-se aumento da faixa de bebês com menos de 1500g, que são os de maior risco para óbito infantil. Os achados da dissertação corroboram o status de Niterói como cidade desenvolvida nas características demográficas e sociais: queda da fecundidade, aumento da idade materna e aumento da escolaridade. Um ônus do desenvolvimento tem sido o aumento de cesarianas, alcançando, nas mulheres com alta escolaridade, 95% dos partos. É necessário investigar, em estudos futuros, a relação entre cesarianas e prematuridade, e a relação entre baixo peso e crescimento intrauterino. O SINASC se mostrou uma excelente ferramenta para estudar características populacionais e avaliar sua tendência. Como principal limitação, destaca-se a duração do período, de apenas dez anos, para avaliar séries temporais
metadata.dc.description.abstractother: Birthweight is highly predictive of the ability of a newborn infant to survive and to be relatively free of serious early morbidity. In this work, we used SINASC (Sistema de Informações sobre Nascidos Vivos) data to evaluate temporal trends of birthweight in Niterói, a middle-sized city in Brazil, for the last decade, focusing on low birthweight - LBW (<2500g). A lot of studies have shown high reliability and validity of birhtweight data on SINASC and good or excellent reliability for other related variables. Data were processed and analysed by softwares SPSS 17.0 and Joinpoint Regression (National Cancer Institute, USA).Temporal trend was measured estimating annual percent change (APC). We have studied 62,449 live babies, from 2000 to 2009. Only resident mothers were included. Completeness of data was very good for all variables. We presented results on two papers. The first article describes temporal changes on maternal, health care and newborn characteristics. We observed reduction of live births, with increasing primiparae women (1.8% APC). Maternal age has been changing, with less adolescent mothers (2.3% APC) and increasing old aged mothers (2.9% APC). There was a favorable change in educational level, with more women completing fundamental school. The majority of women had seven or more visits in prenatal care, without trends between 2000 and 2009. Singleton births comprised 98% of deliveries, but there was an increasing trend in multiple births. Cesarean deliveries reached 70% in 2009, with a positive trend (1.1% APC). Birth weight has a favorable trend, and low birth weight showed a negative trend (-0.9%), although very low birth weight had a different behavior (1.5% APC). Preterm births increased from 7.4 to 7.9%, with a positive trend in the first half of period, and an inverse trend in the second half. On second article, we explored temporal trend of low birth weight, accordingly to maternal age, educational level, prenatal care, delivery and race. Birth weight showed a slight increasing trend and, as other studies have found, low-schooling women had a better performance, while women with 12 or more years of education presented increasing LBW percent. Otherwise, very low birth weight babies increased 1.5% annually. Preterm births increased in the first half of period, mainly the very preterm babies (< 32 weeks). These babies are at greatest risk for morbidity and mortality. Birth weight seems to be lightly affected by preterm increase, suggesting a fall in small for gestational age births. These results point to demographic and social development in Niterói. A counterpart is the high number of cesarean deliveries, reaching 95% in high-schooling women. Further studies are needed to evaluate association between cesarean deliveries and preterm births and between low birth weight and fetal growth. SINASC showed to be an excellent tool for population studies. As a weakness of the study, we consider the short time of the temporal series
URI: https://app.uff.br/riuff/handle/1/9010
Appears in Collections:PPGSC - Teses e Dissertações

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
SUELEM DO ROZARIO.pdf921.35 kBAdobe PDFView/Open


This item is licensed under a Creative Commons License Creative Commons