Please use this identifier to cite or link to this item: https://app.uff.br/riuff/handle/1/9262
Title: Variação sazonal na ingestão alimentar de adultos de Niterói, RJ
Authors: Costa, Amine Farias
metadata.dc.contributor.advisor: Yokoo, Edna Massae
metadata.dc.contributor.advisorco: Anjos, Luiz Antonio dos
metadata.dc.contributor.members: Yokoo, Edna Massae
Anjos, Luiz Antonio dos
Henn, Ruth Liane
Wahrlich, Vivian
Issue Date: 2011
Citation: COSTA, Amine Farias. Variação sazonal na ingestão alimentar de adultos de Niterói, RJ. 2010. 145 f. Dissertação (Mestrado em Saúde Coletiva) - Universidade Federal Fluminense, Niterói, 2010.
Abstract: A aferição da ingestão alimentar (IA) é necessária para estabelecer a relação entre dieta e o aparecimento de doenças. Na maioria dos estudos, os dados de IA são coletados somente em um momento ao ano, entretanto limitar o estudo a uma única ocasião pode comprometer os seus resultados. O objetivo do presente estudo foi verificar o efeito da sazonalidade na IA, em duas estações do ano, de adultos de Niterói, RJ. Trinta e três homens e 69 mulheres, saudáveis, com idade entre 20 e 69 anos, responderam a seis recordatórios de 24 horas (R24h), três no verão e três no inverno. Em ambas as estações do ano, foram determinadas a ingestão de alimentos, grupos de alimentos, energia e um conjunto de vinte e três nutrientes, assim como as variâncias intra e interindividuais e o número de R24h necessários para estimar a IA usual, por dois métodos distintos. Os dados de IA foram deatenuados pela variabilidade intraindividual e ajustados pela energia. Testes não paramétricos foram utilizados para avaliar a diferença entre as médias de IA. A ingestão de cereais, leguminosas, produtos lácteos, frutas e frutas oleaginosas apresentaram diferenças significativas entre as estações do ano. A ingestão de energia e alguns nutrientes foram significativamente diferentes entre os homens e as mulheres, e em geral, a IA dos homens é maior que a das mulheres. A ingestão de energia não se diferenciou entre as estações, para ambos os sexos, porém a ingestão de macro e micronutrientes foi diferente. Variações sazonais também foram 10 encontradas nas variâncias intra e interindividuais e no número de R24h calculados, este último mais elevado quando a IA usual é estimada com mais exatidão. Os resultados do presente estudo sugerem considerar a sazonalidade na aferição da IA servindo de base para a adequação dos métodos e instrumentos utilizados nos inquéritos dietéticos populacionais
metadata.dc.description.abstractother: Costa AF. Seasonal variation in food intake of adults in Niterói, RJ, Brazil [master’s degree dissertation]. Niterói: Universidade Federal Fluminense, Instituto de Saúde da Comunidade, 2010. The measurement of food intake (FI) is necessary to establish accurately the relationship between diet and disease. In most studies data are collected at one particular time of the year, however to limit the study to a single time can influence the results. The purpose of this study was to investigate the effect of seasonality in FI, in two seasons, of the adults of Niterói, RJ. A total of 102 healthy adults (69 women), aged between 20 and 69 years, were enrolled in the study. They answered six 24-hour recalls (24HR), three in summer and three in winter. In both seasons, food intake, food groups, energy and twenty-three nutrients was determined, as well as the within and between-person variability and the number of required 24HR to estimate usual FI, using two different methods. The data of FI were deattenuated considering the intra-individual variability and adjusted for energy. Nonparametric tests were used to evaluate the difference between mean values. The intake of cereals, beans, dairy products, fruits, oils and nuts showed significant differences between the seasons. Energy and some nutrients intakes were significantly higher in men than in women. Energy intake did not differ between the seasons, for both sexes, but the intake of macro and micronutrients was different. Seasonal variations were also found in within and between-person variances and the estimated number of 24HR, this number increased when the FI is estimated with higher precision. The results of 12 this study suggest to consider the seasonality in the measurement of FI in order to improve the methods and instruments used in population dietary surveys
URI: https://app.uff.br/riuff/handle/1/9262
Appears in Collections:PPGSC - Teses e Dissertações

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
dissertação - 173.pdf1.71 MBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.