Please use this identifier to cite or link to this item: https://app.uff.br/riuff/handle/1/9282
Title: Fazer parte da classe média: práticas discursivas em um bar no Rio de Janeiro e em um café em Buenos Aires
Authors: MARKOWITZ, Michele Andrea
metadata.dc.contributor.advisor: Guedes, Simoni Lahud
metadata.dc.contributor.members: Duarte, Luiz Fernando Dias
Gastaldo, Edison
Pinto, Paulo Gabriel Hilu da Rocha
Silva, Edilson Márcio Almeida da
Issue Date: 2011
Citation: MARKOWITZ, Michele Andrea. Fazer parte da classe média: práticas discursivas em um bar no Rio de Janeiro e em um café em Buenos Aires. 2011. 220 f. Tese (Doutorado) - Curso de Pós-graduação em Antropologia, Departamento em Antropologia, Universidade Federal Fluminense, Niterói, 2011.
Abstract: O objeto da minha pesquisa é tentar entender o que significa querer ser reconhecido como classe média através do uso de duas instituições distintas, o bar e o café, em duas cidades igualmente distintas, Rio de Janeiro e Buenos Aires. O aproveitamento desses espaços é intensivo nas duas cidades como também a produção de discursos sobre esses lugares. E são justamente os mesmos produtores de discursos que são os frequentadores mais ávidos de tipos específicos de bares e de cafés. Dentro dessas instituições, porém, seus discursos reivindicatórios não são escritos no papel, mas através de performances feitas através de uma apresentação de si que se manifesta na escolha do lugar, das comidas e bebidas, roupa, gestos – além, naturalmente, das suas falas. Argumento que esses sujeitos querem ver e ser vistos em público, mesmo se isto significar como é frequente em Buenos Aires, em estar só, sentado à janela de um café. É através desta performance que pretendo contribuir para desvendar a linguagem de classe média em cada cidade, interpretando o que significa em cada contexto e como o status de classe média é reivindicado.
metadata.dc.description.abstractother: The aim of this project is to understand how to gain recognition as middle class in two very different cities, Rio de Janeiro and Buenos Aires, using two equally different public institutions, the bar and the café. As different as they may be, though, the usage of bars in one city and cafés in the other are equally intense, as is the production of discourse on these two public spaces. Those who produce such discourse are generally the most avid regulars in bars and cafés. Within these spaces, however, claims to status are not written on paper, but rather acted out by way of a presentation of self made evident by the choice of a particular bar or café, the kinds of food and drink ordered, personal style, and other modes of self expression. Regulars in bars and cafés want to see and be seen in public even if this means, as it frequently does in Buenos Aires, spending an afternoon alone sitting behind a window. It’s by way of this presentation of self that I wish to define a middle class jargon in each city and define what this vocabulary means in each context explored, thus learning how such demands of status are made.
URI: https://app.uff.br/riuff/handle/1/9282
Appears in Collections:NEPEAC - Teses e Dissertações

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
MICHELE-ANDREA-MARKOWITZ.pdf3.42 MBAdobe PDFView/Open


This item is licensed under a Creative Commons License Creative Commons