Please use this identifier to cite or link to this item: https://app.uff.br/riuff/handle/1/9335
Title: Epidemiologia molecular de staphylococcus aureus isolados de pacientes colonizados e/ ou infectados atendidos em unidades de saúde do município de Nova Friburgo, Rio de Janeiro, Brasil
Authors: Dias, Aline Peçanha Muzy
metadata.dc.contributor.advisor: Alves, Fábio Aguiar
metadata.dc.contributor.advisorco: Póvoa, Helvécio Cardoso Corrêa
metadata.dc.contributor.members: Verícimo, Maurício Afonso
Falcão, Laís dos Santos
Capasso, Ivano Raffaele Victorio de Filippis
Asensi, Marise Dutra
Santos, André Luis Souza dos
Issue Date: 2016
Citation: DIAS, Aline Peçanha Muzy. Epidemiologia molecular de staphylococcus aureus isolados de pacientes colonizados e/ ou infectados atendidos em unidades de saúde do município de Nova Friburgo, Rio de Janeiro, Brasil . 2016. 160 f. Tese (Doutorado em Patologia) - Universidade Federal Fluminense, Niterói, 2016.
Abstract: Introdução: Dentre os vários microrganismos que podem causar infecção relacionada à assistência à saúde, a grande prevalência de Staphylococcus aureus resistentes à meticilina em hospitais tem sido associada com o aumento da mortalidade dos pacientes e a grandes custos de saúde, representando um grande desafio em termos de Saúde Pública. Apesar de o Brasil dispor de legislação pertinente quanto à prevenção e controle das infecções relacionadas à assistência à saúde, deveria haver mais estudos que incluíssem a identificação imediata de pacientes que apresentem maior risco de aquisição de S. aureus resistentes à meticilina. Como somente os casos de infecções provocadas por S. aureus em ambiente hospitalar são relatados pelas autoridades de saúde, não se têm, com certeza, um percentual de indivíduos colonizados e/ou infectados por este microrganismo na população. Especula-se, assim, que possa haver elevada ocorrência de colonização e infecção por S. aureus nos diferentes setores das unidades de saúde do município de Nova Friburgo e que há correlação fenotípica e genotípica entre essas amostras provenientes de pacientes com colonização e infecção na referida região geográfica. Objetivo: desenvolver um estudo de Epidemiologia Molecular de colonizações e de infecções causadas por S. aureus em unidades de saúde públicas do município de Nova Friburgo, Rio de Janeiro, Brasil. Material e métodos: Foi avaliado um total de 1002 amostras coletadas de indivíduos atendidos no Hospital Municipal Raul Sertã, Hospital Maternidade de Nova Friburgo e Policlínica Norte. Após a identificação fenotípica e a avaliação da susceptibilidade aos antimicrobianos, as amostras de S. aureus foram submetidas a testes genotípicos para a detecção do gene mecA, identificação dos genes que codificam a leucocidina de Panton-Valentine, tipagem do cassete cromossômico estafilocócico e análise dos perfis de multi locus sequence typing e SPA typing Resultados: Das 1002 amostras coletadas, 294 (29,3%) foram identificadas fenotipicamente como S. aureus e 91 (9,1%) como S. aureus resistentes à meticilina. Das amostras resistentes à meticilina, 76 apresentaram o gene mecA e resistência à cefoxitina no antibiograma; quatro mostraram resistência à cefoxitina, mas não foi detectada a presença do gene mecA e 11 amostras apresentaram o gene mecA, porém não foi detectada a resistência à cefoxitina. O setor “outros”, onde o laboratório está incluído, apresentou a maior taxa de isolamento de S. aureus resistentes à meticilina (22,8%). Em alguns pacientes da hemodiálise que tiveram amostras recoletadas foi observada a mudança de status de colonização por S. aureus ao longo do tempo, incluindo a genotipagem das amostras resistentes à meticilina. Os genes que codificam a leucocidina de Panton e Valentine foram observados em 34 das 294 amostras de S. aureus analisadas. Destas, 17 eram resistentes à meticilina. Foram identificados 20 SPA types distintos, agrupados em oito Sequence Types. A cepa ST5 t002 foi a mais dispersa entre as unidades de saúde e distritos do município. Conclusão: A frequência de indivíduos portadores de S. aureus e S. aureus resistente à meticilina foi determinada pela primeira vez nesta área de estudo; a não concordância entre o padrão resistência fenotípica e genotípica observada em algumas amostras sugere a presença de outros tipos de resistência à meticilina que não somente o gene mecA
metadata.dc.description.abstractother: Introduction: Nosocomial infections can be caused by a large variety of microorganisms, incluiding Staphylococcus aureus. The higher prevalence of Methicillin Resistant S. aureus in hospital environments has been associated with the increased patient mortality and the higher costs to public health programs. Though Brazil has laws aimed at controlling nosocomial infections prevention, there should be more extensive researcher aimed at the immediate identification of patients that have more Methicillin Resistant S. aureus acquired risk and genotyping methods, involving surveillance and molecular epidemiology complex studies to monitor infections. Only cases of S. aureus nosocomial infections are reported by the health authorities, so, there is no sure way to find how many individuals are colonized and/ or infected by this microorganisms among the general population. Therefore, there is a likelihood that may be encountered higher S. aureus colonization and infection occurrence in different Nova Friburgo health sectors since is phenotypic and genotypic correlation between these samples collected from colonized and infected patients. Main goal: The main goal of this study is develop a molecular epidemiologic study of the colonizations and infections caused by S. aureus in public health facilities in Nova Friburgo, Rio de Janeiro, Brazil. Methods: Were analyzed 1002 samples, collected from patients seen at Hospital Municipal Raul Sertã, Hospital Maternidade de Nova Friburgo and Policlínica Norte. After the phenotypic identification and the antibiotics susceptibility tests, the S. aureus samples were submitted to genotypic testing to detect mecA and Panton Valentine leucocidine gene and analysis of profiles of Multi Locus sequencing Typing and SPA typing. Results: Of the 1002 samples collected, 294 (29.3%) were phenotypically identified as S. aureus and 91 (9.1%) as MRSA. From MRSA samples, 76 were genotypically and phenotypically identified as MRSA, four samples showed resistance to methicillin on the phenotypic testes, but without show a mecA gene and there were found 11 samples with phenotypic methicillin sensibility and showed mecA gene. The ward “others”, where laboratory is included, presented the highest rate of isolation of Methicillin Resistant S. aureus (22.8%). In some hemodialysis patients, who had recollected samples, the colonization S. aureus status changed over time including genotyping classification. The Panton Valentine leucocidine gene was observed in 34 out of 294 strains of S. aureus analyzed. Of these, 17 were Methicillin Resistant S. aureus. Were identified 20 distinct SPA types grouped into eight Sequencing Types. The ST5 t002 strain was the most dispersed among health units and municipal districts. Conclusion: The frequency of patients with S. aureus and Methicillin Resistant S. aureus was determined for the first time in this studied area. The non-correlation between the pattern phenotypic and genotypic resistance observed in some samples suggests the presence of other methicillin resistance mechanism that not only the mecA gene
URI: https://app.uff.br/riuff/handle/1/9335
Appears in Collections:PPGPatol - Teses e Dissertações

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
Aline Peçanha Muzy DiasTese.pdf6.75 MBAdobe PDFView/Open


This item is licensed under a Creative Commons License Creative Commons