Please use this identifier to cite or link to this item: https://app.uff.br/riuff/handle/1/9736
Title: Impacto das vacinas pneumocócicas conjugadas na colonização por streptococcus pneumoniae em crianças e adultos assistidos em instituições de saúde em Niterói/RJ
Authors: Cardoso, Nayara Torres
metadata.dc.contributor.advisor: Neves, Felipe Piedade Gonçalves
metadata.dc.contributor.members: Neves, Felipe Piedade Gonçalves
Rabello, Renata Fernandes
Pinheiro, Marcia Soares
Leão, Robson de Souza
Merquior, Vânia Lúcia Carreira
Issue Date: 2018
Abstract: Streptococcus pneumoniae é um patógeno frequentemente associado a infecções graves como pneumonia, bacteremia e meningite, além de causar infecções mais brandas, como otite média aguda e sinusite. A vacina pneumocócica conjugada (VPC) 10-valente (VPC10) foi introduzida no Programa Nacional de Imunização brasileiro em 2010 para imunizar crianças abaixo de 2 anos, que, juntamente com pessoas idosas, são os grupos etários mais susceptíveis às doenças pneumocócicas mais graves. Simultaneamente, a VPC 13-valente passou a ser comercializada em clínicas privadas de imunização, substituindo a VPC 7-valente. O objetivo do estudo foi avaliar a colonização por S. pneumoniae em crianças e adultos assistidos em instituições de saúde em Niterói/RJ após a vacinação universal com as VPCs em crianças, sobretudo a VPC10. Entre setembro e dezembro de 2014, foram coletados “swabs” de nasofaringe de 573 crianças (< 6 anos). Por sua vez, “swabs” de orofaringe de 385 adultos ≥ 18 anos de idade residentes de um aglomerado subnormal (favela) foram coletados entre outubro e dezembro de 2016. Para amostras de crianças, o isolamento de pneumococo foi feito por cultura após enriquecimento em caldo (CE). Para amostras de adultos, três abordagens foram testadas: CE, cultura pós-enriquecimento em meio com gentamicina (CEG) e PCR para o gene lytA a partir do DNA total pósenriquecimento (DNAt-lytA). Após o isolamento das amostras por cultura, os tipos capsulares foram identificados por PCR multiplex, sequenciamento do gene cpsB e/ou reação de Quellung. A susceptibilidade aos antimicrobianos foi testada por difusão em ágar. Pneumococos não-susceptíveis a penicilina (PNSP) e resistentes a eritromicina (Eri-R) foram submetidas ao Teste-E para determinar a concentração mínima inibitória (CMI). Amostras Eri-R foram também investigadas por PCR para a presença de genes erm(A), erm(B) e mef(A/E). Das 573 crianças, 131 (22,9%) eram portadoras do pneumococo, entre as quais os tipos capsulares prevalentes foram 6C (14,5%), 15B/C (11,5%), 11A/D (9,2%), 6A (7,6%), 15A/F, 23A (6,9% cada) e 23B (6,1%). Dos 385 adultos, 100 (26%) foram identificados como portadores de pneumococo, sendo encontrados 32 (8,6%) portadores pelos métodos de cultura e 89 (23,1%) por DNAtlytA. Os sorotipos prevalentes em adultos foram 9N/L (8,6%), 10A (8,6%), 15B/C (8,6%) e 35F/47F (8,6%), porém a maioria (31,4%) foi classificada como não-tipável. Nenhuma amostra de adulto ou criança foi resistente a levofloxacina e vancomicina. Multirresistência foi observada em quatro (11,4%) e 26 (19,8%) amostras de adultos e crianças, respectivamente. Foram detectados oito (22,7%) e 51 (38,9%) PNSP entre adultos e crianças, respectivamente, com CMIs de 0,12-8 μg/mL e 0,38-1,5 μg/mL. Amostras Eri-R de crianças somaram 27,5% (n=36) e apresentaram predominantemente o fenótipo cMLSB, CMI > 256 μg/mL e o gene erm(B) (n=26; 72,2%). As duas (5,7%) amostras Eri-R de adultos apresentaram o mesmo fenótipo prevalente em crianças, mas o gene erm(B) não foi detectado. Fatores associados à colonização pneumocócica em crianças foram idade ≥ 2 anos, frequentar creche, apresentar sintomas/doenças respiratórias e residir em AGSN. Por sua vez, o tabagismo foi o único determinante significativamente associado a colonização em adultos residentes de um AGSN. A detecção dos sorotipos da VPC10 foi rara nas populações investigadas, sugerindo um efeito direto em crianças e indireto em adultos na eliminação dos sorotipos vacinais. Contudo, sorotipos não vacinais associados a multirresistência emergiram, sobretudo em crianças, com destaque para o sorotipo 6C.
metadata.dc.description.abstractother: Streptococcus pneumoniae can cause severe diseases such as pneumonia, bacteremia, meningitis, as well as milder infections such as acute otitis media and sinusitis. Young children and elderly adults constitute the most susceptible age groups to pneumococcal diseases. The 10-valent pneumococcal conjugate vaccine (PCV10) was introduced into the Brazilian National Immunization Program in 2010 to immunize children ≤ 2 years old. Simultaneously, the 13-valent PCV replaced the 7-valent PCV in private immunization clinics. The objective of this study was to evaluate the pneumococcal colonization in children and adults who attended health clinics in Niterói/RJ after universal childhood use of the PCVs, mainly PCV10. Between September and December 2014, nasopharynx swabs were collected from 573 children (< 6 years) and between October and December 2016, we collected oropharynx swabs from 385 adults (>18 years) living in an urban slum. For children’s specimens, pneumococcal isolation was done by culture after a broth enrichment step (BEC). For adults’ specimens, three approaches were tested, all of them after a broth enrichment step (BE): BEC, culture on medium with gentamicin (BECG) and PCR for lytA gene from total DNA (tDNA-lytA). After isolation by culture, capsular types were identified by multiplex PCR, cpsB gene sequencing and/or Quellung reaction. Antimicrobial susceptibility test was performed by the agar diffusion method. Penicillin nonsusceptible pneumococci (PNSP) and erythromycin-resistant (Eri-R) pneumococci were submitted to the E-test to determine the minimum inhibitory concentration (MIC). Eri-R isolates were also investigated by PCR for the presence of the erm(A), erm(B) and mef(A/E) genes. Of the 573 children, 131 (22.9%) were pneumococcal carriers; the prevalent capsular types were 6C (14.5%), 15B/C (11.5%), 11A/D (9.2%), 6A (7.6%), 15A/F, 23A (6.9% each), and 23B (6.1%). Of the 385 adults, 100 (26%) were pneumococcal carriers: 32 (8.6%) were detected by culture methods and 89 (23.1%) by the tDNA-lytA method; the prevalent serotypes were 9N/L (8.6%), 10A (8.6%), 15B/C (8.6%), and 35F/47F (8.6%), but the majority (31.4%) was classified as nontypable. No adult or child isolate was resistant to levofloxacin and vancomycin. Multidrug resistance (MDR) was observed in four (11.4%) and 26 (19.8%) isolates recovered from adults and children, respectively. Eight (22.7%) and 51 (38.9%) PNSP were detected between adults and children, respectively, with MICs of 0.12-8 μg/mL and 0.38-1.5 μg/mL. Eri-R isolates from children made up 27.5% (n=36) and presented predominantly the cMLSB phenotype, MIC > 256 μg/mL and the erm(B) gene (n = 26; 72.2%). The two (5.7%) Eri-R isolates from adults presented the same prevalent phenotype found in children, but the erm(B) gene was not detected. Factors associated with pneumococcal colonization in children were age ≥ 2 years, childcare attendance, presence of respiratory symptoms/diseases and slum residence. In turn, smoking was the only determinant associated with colonization in adults living in a slum (p <0.01). The detection of PCV10 serotypes was rare in the population investigated, suggesting its direct effect in children and indirect in adults in the elimination of vaccine serotypes. However, non-vaccine serotypes associated with MDR emerged, especially in children, mostly due to serotype 6C.
URI: https://app.uff.br/riuff/handle/1/9736
Appears in Collections:PPGMPA - Teses e Dissertações

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
Cardoso NT Tese de Doutorado com anexos (1).pdfNAYARA TORRES CARDOSO1.49 MBAdobe PDFView/Open


This item is licensed under a Creative Commons License Creative Commons